Rio Branco, Acre, 3 de dezembro de 2020

Gladson quer limitar cobrança abusiva de juros no cartão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O senador Gladson Cameli (PP-AC) apresentou, nesta terça-feira (14), o Projeto de Lei do Senado (PLS) 245/2016 — Complementar, para determinar que o custo efetivo total de empréstimo concedido na modalidade de cartão de crédito não possa exceder em duas vezes a taxa Selic, que hoje está em 14,15% ao ano.

“Comparados ao resto do mundo, somos o país com uma das maiores taxas de juros; e isso se reflete em tudo no cenário econômico. O peso dos juros faz surgir uma prestação da casa própria mais alta, o freio no crédito para o consumo, mensalidades escolares mais caras e uma cascata de consequências que desaquecem a economia”, observou o parlamentar.

O senador informou também que, de acordo com o Banco Central, as taxas de juros dos cartões de crédito atingem percentuais próximos de 400% ao ano para as concessões a pessoas físicas e 250% para empresas. “É preciso colocar um freio nesses juros que fazem o dinheiro sumir do setor produtivo e traz de volta o fantasma do desemprego”, afirmou.

Para o senador acriano, a limitação representa um instrumento de maior justiça econômica para os brasileiros que ganham pouco e pagam muito. “Numa conjuntura ideal, a forma mais eficiente de reduzir as taxas de juros para os tomadores de crédito é garantir um sistema legal e judicial onde haja respeito aos contratos financeiros. Aumentar a concorrência na oferta de crédito e políticas macroeconômicas para a redução das taxas também são opções. E a minha proposta não exclui nenhum destes instrumentos; ao contrário, pretende colaborar com o funcionamento da economia”, garantiu.

A proposta de Gladson Cameli altera a Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, que dispõe sobre a política e as instituições monetárias, bancárias e creditícias e cria o Conselho Monetário Nacional e começará a tramitar pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE). Para ser aprovada, necessita do voto favorável, em plenário, de maioria absoluta, que é de 42 senadores. Depois disso, é enviado para análise da Câmara dos Deputados.

Da Assessoria.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.