Rio Branco, Acre, 20 de janeiro de 2021

Agricultores querem intensificar cultivo do feijão no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

As condições climáticas desfavoráveis fizeram com que o preço do feijão tivesse uma alta inesperada em todo o país. O problema no maior centro produtor, a Região Sul, foi o excesso de chuvas. Com menos feijão no mercado, a tendência é o preço subir.

No Acre, agricultores do Ramal Campo Novo, em Acrelândia, que plantaram feijão estão aproveitando a crise e faturando alto.

A produção ainda é pequena, mas a garantia de comercialização anima os produtores a aumentarem a área de cultivo na região, que tem como principais atividades o café e a banana.

Um grupo de 12 produtores do local plantou cerca de oito hectares de feijão.

Um deles é Gersi de Souza, que deve colher em 2,5 hectares cerca de 40 sacas de feijão carioquinha. Com o preço em alta, a produção deve render ao agricultor cerca de R$ 20 mil. “Mesmo com o preço anterior, que não andava tão bom, já era possível conseguir um bom lucro. Agora, muita tem gente tem nos procurado, e o feijão já está todo reservado”, disse.

Souza explica que um outro atrativo do feijão é o baixo custo de produção, o que rende uma boa lucratividade ao produtor. Por esses motivos, a comunidade pretende aumentar a área de plantio na safra do ano que vem. “Em 2017, a comunidade deve passar de oito para 40 hectares de feijão plantado aqui no Campo Novo.”

 

Governo ajuda no preparo da terra e no beneficiamento do feijão

Os agricultores estão se preparando para iniciar a colheita do feijão plantado nos próximos dias. A cultura tem um ciclo rápido, durando em média 80 dias do plantio até o ponto de colher.

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária (Seap), tem sido parceiro dos produtores da região.

Um trator foi destinado à comunidade para fazer o serviço de mecanização agrícola no preparo das áreas de plantio. Outro benefício foi a doação de uma trilhadeira, máquina usada para separar o feijão da vagem. “Aqui temos tido toda a ajuda possível do governo. O trator faz a destoca, e a máquina, o trabalho que seria muito complicado fazer de forma manual”, afirma Souza, que também é presidente da Associação de Produtores Rurais do Ramal Campo Novo.

José Carlos Reis, secretário da Seap, explica que a região é uma das mais produtivas do estado. “Estamos fortalecendo cada vez mais a parceria com esses agricultores aqui de Acrelândia, que já são grandes produtores de banana e de café, e agora vão aumentar de forma considerável a produção de feijão. Esse é o nosso objetivo: apoiar quem quer produzir no Acre.”

 

COm informações da Agência de Notícias do Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.