Rio Branco, Acre, 30 de outubro de 2020

Anitta sobre Olimpíada: ‘A gente precisa parar de criticar’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Anitta é, sem dúvida, uma das cantoras que mais repercutem no atual cenário musical brasileiro. No dia 5 de agosto, no entanto, ela extrapola fronteiras nacionais. O mundo todo estará com os olhos voltados para a jovem de 23 anos, uma das estrelas da abertura dos Jogos Rio 2016. Ao lado de Caetano Veloso e Gilberto Gil, ela vai mostrar nossa MPB para o planeta, numa performance bem diferente das que costuma apresentar, com coreografias e músicas que colam na cabeça. Tamanha exposição e possíveis críticas, ela garante, não a amedrontam.

— Se eu me preocupar com críticas, não vivo. A gente precisa é se interessar em fazer uma boa Olimpíada e parar de criticar. As pessoas deveriam é dar bom dia para os visitantes em vez de ficar criticando pela internet — defende ela, que não dá mais detalhes sobre a apresentação.

A festa é certamente o momento de maior projeção de Anitta, que já há algum tempo não esconde o desejo de investir numa carreira internacional. Mas ela faz questão de frisar que se limita ao papel de coadjuvante.

É um evento em prol da Olimpíada, não de mim. Claro que estou feliz, mas ciente de que o momento não é meu. A carreira internacional vai acontecer no momento em que eu me sentir preparada para isso. Não adianta querer rapidez. Tudo tem que ser muito planejado, com continuidade. Foi por isso que eu quis cuidar da minha vida profissional. Na vida pessoal, sou afobada, mas com o meu trabalho, tenho paciência — diz.

Incansável, a artista acaba de lançar o clipe “Sim ou não”, em que divide os vocais com o colombiano Maluma, de 22 anos. O vídeo, repleto de rebolados e cenas para lá de sensuais, incluindo alguns beijos calientes, foi gravado no México, com direção de Jessy Terrero, que assina produções de Jennifer Lopez, Ricky Martin, Pitbull e 50 Cent.

— Esse clipe foi uma vontade artística minha, não uma estratégia para a carreira internacional. Até porque estou compondo em português. A partir do momento em que eu tomei o controle da minha carreira, as coisas passaram a acontecer do jeito que eu sonhei. Tenho estudado muito e conversado com gente do meio — valoriza ela, que fala sobre o beijo com o cantor, que acabou conhecendo por insistência dos fãs: — Beijar o Maluma deu um pouquinho de vergonha. Mas clipe é assim mesmo, a gente encara o personagem e o público se sente mais instigado.

 

Com informações de Extra.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.