Rio Branco, Acre, 29 de novembro de 2020

Inovação e tecnologia consolidam novo momento do setor produtivo no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Depois de nove dias, chegou ao fim a 43ª edição da Expoacre. A feira deste ano consolidou o novo momento vivido pelo setor produtivo no estado. A capacitação e o acesso à tecnologia foram as marcas dos estandes e dos espaços construídos para a apresentação da produção rural acreana.

Mais uma vez, o Campus do Agronegócio se tornou o ponto de referência para quem tem interesse em conhecer as inovações tecnológicas que aumentam a produção e facilitam a vida do homem do campo. O número de produtores que passou pelo local comprova o sucesso. Mais de 1,1 mil visitaram o campus durante a feira.

Além da visitação, houve também capacitação. Cursos de mecanização agrícola, desossa de peixes e iniciação ao processamento de leite foram ofertados.

São conhecimentos que vão chegando e mudando a vida de produtores rurais. É o caso de Obede Gomes, que veio de Manoel Urbano. Ele e a família produzem queijo de forma artesanal. São cerca de sete quilos do produto por dia. Por falta das condições adequadas, Gomes não tinha como melhorar e aumentar a produção.

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Agricultura e Pecuária (Seap), resolveu os dois problemas do produtor rural.

Quanto à estrutura, Gomes recebeu uma queijaria completa no valor de R$ 30 mil, que será instalada em sua propriedade.

A capacitação, fornecida em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) durante a Expoacre, ensinou o produtor a fabricar queijos de vários tipos e outros derivados, como iogurte, leite condensado e doce de leite.

“Este é um sonho que minha família está realizando graças à parceria com o governo. Agora vamos poder aumentar nossa produção e ajudar outros produtores com a compra de leite para a queijaria”, afirma Gomes.

Na área de tecnologia, o que mais chamou a atenção de quem passou pelo Campus do Agronegócio foi um equipamento, adquirido pela Embrapa, capaz de triturar capoeira – vegetação secundária – sem a necessidade do uso do fogo.

“O campus foi um sucesso ainda maior que no ano passado. Conseguimos mostrar o potencial produtivo do Acre. Estamos mostrando aos produtores que é possível produzir em larga escala respeitando o meio ambiente”, explica José Carlos Reis, secretário de Estado de Agricultura e Pecuária.

Produtores familiares de diversos municípios participam da Expoacre (Foto: Angela Peres/Secom)
Produção familiar capacita mais de 500 produtores

A Expoacre pode ter terminado, mas o aprendizado de centenas de produtores rurais vai permanecer e ajudar a fortalecer a produção familiar.

O pioneirismo deste ano ocorreu com a realização do primeiro encontro dos criadores de abelhas do Acre. O evento serviu para a troca de experiências e o crescimento da atividade, que possui grande potencial no mercado consumidor.

Cursos nas áreas de fruticultura, borracha, castanha, farinha, piscicultura, hortaliças, crédito e produção em terras indígenas movimentaram mais de 500 produtores familiares de todo o estado.

Outro destaque foi a assinatura de um termo de cooperação com a Cooperativa dos Produtores Florestais Comunitários (Cooperfloresta) para o plantio de 300 hectares de açaí irrigado em regiões do Alto e Baixo Acre.

“Somos extrativistas. Estamos cada vez mais tendo opções de sobreviver da floresta sem a necessidade de derrubar um pé de árvore”, destacou Dionísio Barbosa, presidente da cooperativa.

Lourival Marques, gestor da Seaprof, avaliou de forma positiva o setor da produção familiar na Expoacre 2016. “Conseguimos o nosso objetivo, que era mostrar aos visitantes da feira o Acre que produz. Trouxemos o feijão de Porto Walter, o açaí de Feijó e a farinha de Tarauacá, e capacitamos mais de 500 produtores. Foi um sucesso.”

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.