Rio Branco, Acre, 3 de dezembro de 2020

Tarifas elétrica no Acre serão revisadas, diz Agência Nacional

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A previsão de privatização da Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre) é para o fim de 2017, contudo, antes o governo federal já autorizou uma medidas administrativas para a revisão e reajuste de tarifas cobradas pela empresa. A proposta deve aumentar o interesse durante o processo de venda.

Procurado, o Ministério de Minas e Energia (MME) informou que o assunto é de responsabilidade da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), órgão que devem realizar as alterações. Mesmo assim, segundo o MME, a Eletrobras não deve renovar a concessão para distribuição dos serviços no Acre.

Em entrevista coletiva em Brasília (DF), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, explicou que com os reajustes a expectativa é que empresas interessadas vejam com maior perspectiva a aquisição da companhia acreana, além de outras cinco espalhadas pelo País.

“Não estamos dizendo que a revisão vai resolver tudo, mas a expectativa é que, quando você faz a transferência de controle, especialmente de empresas que não têm um bom desempenho sob o ponto de vista econômico-financeiro, o comprador enxerga um potencial de melhoria da gestão daquela empresa. É nisso que ele ganha”, disse Rufino.
FIQUE POR DENTRO

No mês passado, o Conselho de Administração da Eletrobras decidiu reprovar a prorrogação das concessões de seis empresas de distribuição do grupo nas regiões Norte e Nordeste. Com isso, as distribuidoras (veja abaixo) deverão ser privatizadas até 31 de dezembro de 2017.

-Companhia Energética do Piauí (Cepisa), Companhia Energética de Alagoas (Ceal), Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), Boa Vista Energia e Amazonas Distribuidora de Energia.

Ainda segundo o Ministério de Minas e Energia, “do ponto de vista do consumidor, o processo não apresenta muita diferença da prestação pela concessionária, tendo em vista que a prestação do serviço temporário preserva a continuidade do serviço de distribuição de energia elétrica”, explicou.

 

João Renato Jácome

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.