Rio Branco, Acre, 24 de novembro de 2020

Acre registra redução de 15% no desmatamento de 2014 a 2015

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma revisão do desmatamento na Amazônia, feita pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), para o período entre 2014 e 2015, apontou que o Acre reduziu em 15% as taxas de desmatamento nesse período entre os estados pertencentes à Amazônia Legal. Numa avaliação mais profunda do INPE, entre 2004 e 2015, é possível registrar uma redução drástica de 64% para os últimos dez anos.

A variação relativa, expressa na tabela gráfica do INPE, aponta que o Acre reduziu de 309 km² para 264 km² em área desmatada. Em 2004, a extensão de desmatamento apontava 728 km², segundo o mapeamento do órgão, que é subordinado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação (MCTIC).

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Edegard de Deus, disse que o Acre tem muito a comemorar pelo expressivo resultado, uma vez que se tornou referência mundial nas políticas de uso sustentável de seus recursos naturais.

“Reduzir em 15% o desmatamento de 2015 em relação a 2014, e em  64% em 10 anos, é  indicativo de que nossa política de conservação e uso sustentável dos nossos recursos naturais vem dando resultado. Estamos protegendo 87% das nossas florestas”, destacou de o gestor.

Ainda segundo ele, o fato de, nos 13% de áreas abertas, o governo apoiar um amplo programa de produção sustentável  junto às populações da floresta, como a piscicultura, o plantio de fruteiras e a criação de pequenos animais, tem sido de grande valia.

Dados gerais na Amazônia Legal

Apesar de o resultado ser positivo para o Acre, os dados gerais dos demais estados que compõem a Amazônia Legal não foram tão exitosos, já que o desmatamento entre 2014 e 2015 mostrou que o corte raso nas florestas da região alcançou 6.207 km², ou seja, uma extensão 6,45% maior que os 5.831 km² divulgados no fim do ano passado.

A segunda má notícia é que ela reajusta também de 16% para 24% o aumento da devastação na Amazônia em comparação com o período anterior, de 2013 a 2014, que foi de 5.012 km².

A nota técnica emitida pelo INPE considerou 214 imagens do satélite Landsat 8, ao passo que anteriormente foram analisadas 96 imagens. Além do maior número de imagens, outra novidade foi o uso do satélite sino-brasileiro CBERS-4, mais moderno. As imagens detectam desmatamentos de áreas com mais de 6,25 hectares.

Além do Acre, somente Maranhão, Amapá e Tocantins conseguiram reduzir as taxas de desmatamento. Os estados campeões da derrubada da floresta de 2014 a 2015 são Pará (2.153 km²), Mato Grosso (1.601 km²) e Rondônia (1.030 km²).

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.