Rio Branco, Acre, 24 de janeiro de 2021

Servidor municipal agoniza com cinco meses de salário atrasado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
carteira

Carteira de trabalho. 19 anos de serviço prestado à prefeitura. Nenhum direito.

joao-e-samara

João e a filha Samara. Prefeitura se nega a reconhecer direitos de uma vida de trabalho.

João Gomes de Brito, 65, é lembrado pela filha Samara, 21, como um homem forte e disposto que deixou como principal exemplo para sua família, o trabalho. O exemplo contrasta com sua atual condição: vítima de dois AVCs, João não fala mais e caminha com muita dificuldade, quando ajudado por familiares. No fundo da rede, João agoniza de maneira silenciosa a espera de que – quem sabe por um milagre – seus direitos sejam reconhecidos.

Vigia há 19 anos da garagem da secretaria de obras da prefeitura, João já teria direito a se aposentar, mas

casa

Sem condições de mantê-la, João teve que deixar sua casa para viver com uma irmã.

teve seu pedido negado três vezes junto ao INSS. Motivo: a prefeitura não recolheu o benefício a que teria direito.

Se a vida para João e seus familiares já não era um mar de rosas, de cinco meses para cá, as coisas somente tem piorado. Sem receber o salário mínimo a que tem direito, João não conseguiu mais arcar com as despesas da casa em quem vivia com sua esposa, no bairro da Várzea. “Não teve mais como pagar gás e conta de luz, o jeito foi fechar a casa e ir embora”, conta a filha Samara.

remedios

Nada é de graça: Mesmo sendo um direito, João não recebem nem remédios e nem fisioterapia. familiares ajudam na compra de medicamentos.

Também não há dinheiro para comprar os remédios – cerca de R$100,00 – a que teria direito de graça pelo SUS. Menos ainda para a fisioterapia que seria necessária para recuperar ao menos parte dos movimentos. “O pessoal do posto diz que faz a fisioterapia em casa. No posto marcam uma data para vir, mas não aparece ninguém”.

‘Ele adoeceu de preocupação’ explica um vizinho, que acompanha o agravamento do estado de saúde de João.

Familiares e amigos explicam que somente agora quiseram trazer a situação à tona, pois foram ‘enrolados’ durante cinco meses com a promessa de que iriam receber os salários atrasados. Às vésperas da eleição, a conversa mudou e a promessa é de que seja paga apenas uma indenização.

João trabalhou com carteira de trabalho assinada até o final do mandato de Zila Bezerra, mas não foi renovada a assinatura durante a prefeitura de Vagner Sales. Como resultado, aquilo que João teria direito por obrigação trabalhista, torna-se um favor que pode ser feito ou não, de acordo com a conveniência política.

Apesar de chamar a atenção pela gravidade, o caso de João não é isolado. Servidores municipais da secretaria de obras, diaristas ou nomeados, encontram-se de três a cinco meses sem receber seus vencimentos. O problema se repete com servidores provisórios das secretarias de saúde e educação. Uma estimativa aproximada é de que mais de mil servidores municipais provisórios estejam em situação semelhante. Contudo, o medo de represálias, sendo a mais óbvia delas, a demissão, faz com que a maioria se cale, na expectativa de que, com a vitória do candidato continuísta, seus contratos possam vir ser renovados, e quem sabe aí, receber como um favor, aquilo que é um direito do trabalhador.

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.