Rio Branco, Acre, 27 de outubro de 2020

Ex-empregada de Tiririca acusa o deputado de assédio sexual

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A defesa de uma ex-funcionária do deputado federal Tiririca (PR-SP) apresentou uma denúncia, distribuída na última quarta-feira (28) ao ministro Celso de Mello, do STF, alegando que o parlamentar teria a assediado sexualmente.

Por se tratar de um parlamentar, com prerrogativa de foro, o caso foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo informações do Metrópoles, a alegação foi apresentada em um processo trabalhista apresentado por ela contra o deputado, e reafirmado à Polícia Civil do DF depois que a esposa de Tiririca registrou uma ocorrência de extorsão contra a mulher.

Na denúncia, Maria Lúcia Gonçalves Freitas de Lima, que trabalhava na casa do parlamentar como empregada doméstica, teria sofrido assédio em pelo menos duas ocasiões, em São Paulo e em Fortaleza, no ano passado.

No dia 24 de maio do ano passado, durante uma viagem com o casal e a filha para São Paulo, Tiririca, que estaria “exalando odor etílico”, teria cometido o abuso.

“Francisco segurou a declarante pelo braço, jogou-a no sofá da sala e, segurando-a por trás e pela cintura, disse: ‘Vou comer seu cu, vou comer sua buceta’”, relatou a ex-funcionária.

Em seguida, na presença da família, o parlamentar teria desabotoado a calça e, “com o pênis ereto”, começado a correr atrás dela. Ela afirma que a filha, dois assessores do deputado e a mulher “riram do ocorrido”.

Em outra ocasião, na mesma semana, Maria Lúcia foi com a família de Tiririca para Fortaleza, onde ficou durante oito dias cuidando da filha do casal. No Ceará, eles teriam ficado hospedados em um sítio do deputado.

À Polícia Civil do DF, Maria Lúcia disse que “a família fez festas todos os dias; que sempre que a declarante passava perto de Francisco ele dizia: ‘vou te comer’, passava a mão no cabelo da declarante e nas nádegas. Várias vezes Francisco dizia: ‘você vai gostar, meu pau tem a cabeça muito grande, se experimentar, vai gostar”.

Durante a viagem, a funcionária disse que foi procurada pela esposa de Tiririca, que teria dito que o deputado federal fazia aquilo “porque gostava dela”. Maria Lúcia, então, teria respondido que não era “puta nem piranha”. Segundo ela, a demissão ocorreu após retornarem a Brasília.

Extorsão

A ocorrência sobre a suposta extorsão foi registrada na 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul), em 3 de maio deste ano, pela esposa de Tiririca, Naná da Silva Magalhães.

Segundo a mulher do parlamentar, a tentativa de extorsão teria ocorrido em junho de 2016 na casa onde o deputado mora, na Asa Norte, um mês depois da data em que Maria Lúcia diz ter sido assediada. Ela alega que a ex-funcionária foi demitida pois “fazia uso de bebida alcoólica durante a jornada de trabalho”. No entanto, após receber a notícia, Maria Lúcia teria pedido R$ 100 mil, “caso contrário prejudicaria o casal”.

De acordo com a mulher do deputado, todas as verbas trabalhistas foram devidamente quitadas quando a doméstica parou de trabalhar na residência do casal.

A ação tramita na 21ª Vara do Trabalho de Brasília, sob segredo de Justiça. Já a ocorrência registrada na 10ª DP com os dois depoimentos foi enviada ao STF.

O advogado do parlamentar diz que Maria Lúcia tenta utilizar o estereótipo do “personagem Tiririca” para atribuir ao parlamentar os mesmos comportamentos na vida pessoal e privada.

“Ao contrário, é uma pessoa centrada, pai dedicado, homem conhecedor da sua importância política e que representa o país, talvez, melhor que muitos médicos, advogados e promotores de Justiça eleitos”, ponderou. Com informações de Notícias ao Minuto.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.