Rio Branco, Acre, 5 de agosto de 2021

Paranoico, Coronel Ulysses vê inimigo em toda parte. Até no Estado.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em uma só semana, o pré-candidato à deputado estadual Coronel Ulysses deu ao menos duas demonstrações de estar ‘fora da casinha’. A primeira foi a polêmica sobre um capacete (isso mesmo, um capacete) com a figura de um coringa utilizado pelo ouvidor de direitos humanos da secretaria de segurança pública. Segundo o coronel, o ouvidor estaria fazendo apologia ao homicídio de policiais. O coronel parte da premissa do significado de que a figura do ‘palhaço’, tatuada no corpo de criminosos serve para marcar aqueles que já teriam matado policiais.

O ‘capacete da discórdia’ de fabricação da MT Helmets é vendido em lojas virtuais como Submarino, Americas, Wal Mart, etc. O ouvidor, contudo teria ganhado o capacete em um sorteio. Antes de ser vilão da série Batman, o coringa é figura do baralho que simboliza, o famoso ‘bobo-da-corte’ destinado a alegrar as cortes medievais.

Não contente, o Coronel da PM, em seu perfil pessoal teceu uma longa e enfadonha catilinária contra o ‘PT’ e ‘os esquerdistas’ e chega a afirmar, (ora vejam só), que “ Inimigo é o Estado”. Isso mesmo, caro leitor, o mais novo ‘anarquista’ acreano é coronel e veste a farda da PM, que representa justamente (ora vejam só 2) o braço armado do estado.

O motivo da bronca foi (ainda) o fato de o líder do governo na ALEAC, Daniel Zen, ter afirmado na assembleia a necessidade do DEBATE sobre a legalização das drogas. A mesma posição é sustentada pelo ministro do STF Luís Roberto Barroso. Barroso argumenta em favor da legalização gradual das drogas a partir das teses do economista LIBERAL (e portanto, em tese, ‘de direita’) Milton Friedman. A legalização das drogas, ou o direito ao aborto, fazem parte das chamadas ‘liberdades individuais’ e são inclusive teses defendidas por liberais que nada tem de ‘esquerda’.

Segundo o coronel, o debate seria INÚTIL, o que nos leva a acreditar que o mesmo deve achar mais útil, fiscalizar o conteúdo simbólico dos capacetes dos agentes civis de estado. Leva a pensar inclusive, que o coronel se acha no direito de pautar o debate da sociedade civil, assim, como quem manda na sua tropa.

Tal comportamento paranoico de ver inimigo em toda parte, em muito lembra justamente a dos viciados em crack e cocaína. Talvez se explique por uma mistura explosiva de fanatismo e autoritarismo, caracterizada por alguns especialistas como transtorno psíquico passível de tratamento. Falta ao coronel, justamente o que ele critica em ‘maconheiros’ e ‘esquerdistas’: sobriedade.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!