Rio Branco, Acre, 28 de julho de 2021

Desfile Cívico Marca Comemorações Do Dia 5 De Setembro no Guajará

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Nesta terça-feira, dia 05 de setembro, o estado do Amazonas, comemorou a Elevação do Amazonas à categoria de província. O município do Guajará todos os anos realiza desfile cívico para comemorar essa data especial, primeiro teve o hasteamento das bandeiras, acompanhado pela banda do APEN, após houve abertura do desfile, onde cerca de 1800 alunos da rede municipal e 2000 da rede estadual, desfilaram.

A cidade parou para acompanhar com muita atenção o desfile, a Avenida Juvenal de Paula, no Centro da cidade, se transformou na passarela, pois os moradores ficaram nas laterais da via acompanhando o desfile.

O desfile deste ano trouxe como tema “A biodiversidade da Amazona”, os estudantes das escolas municipais e estaduais deram uma verdadeira demonstração de amor à Pátria, promovendo um desfile marcante, coordenado pelo corpo educacional dos referidos estabelecimentos de ensino.

O Vice-prefeito, Adaildo Melo, acompanhou todo o desfile. Em entrevista ao jornal O Juruá em Tempo, Adaildo disse que o desfile do 5 de setembro é na verdade o início da semana da Pátria no município. “Os festejos alusivos a independência do Brasil começam na verdade no 5 de setembro, data da Elevação do Amazonas a categoria de Província. Portanto, uma data muito comemorada aqui no Guajará. Este ano o desfile escolar foi temático o que acrescentou mais conhecimento em toda comunidade, me sinto honrado em poder participar desse momento importante pra nosso Estado,” disse Adaildo.

O Prefeito Ordean Silva, não pôde comparecer no evento, pois se encontra em Manaus tratando assuntos de interesse do Município, mas fez questão de fazer um agradecimento aos professores e todos os alunos das escolas que participaram do desfile. “Valeu o esforço de cada um, dos professores, dos alunos, dos pais, em fim, de todas as pessoas que direta ou indiretamente participaram da atividade cívica, quero agradecer à todos por proporcionar esse lindo desfile ao município”, disse o Prefeito.

 

Conheça a história:
No dia 5 de setembro comemora-se a Elevação do Amazonas à Categoria de Província, um episódio resultante de longa luta em defesa de nossa autonomia política, pois eram subordinados ao Pará e tornam-se independentes nesse dia, no ano de 1850.
No início do século XIX, a sede do governo da Capitania foi transferida para a povoação da barra do Rio Negro, elevada a Vila da Barra do Rio Negro para esse fim, em 29 de março de 1808.
À época da Independência do Brasil (1822), os moradores da vila proclamaram-se independentes, estabelecendo um Governo Provisório. A região foi incorporada ao Império do Brasil, na Província do Pará, como Comarca do Alto Amazonas (1824). Ganhou a condição de Província do Amazonas (Lei n° 582, de 5 de setembro de 1850), sendo a Vila da Barra do Rio Negro elevada a cidade com o nome de Manaus (Lei Provincial de 24 de outubro de 1848) e capital (5 de janeiro de 1851).

Da subordinação à autonomia
De acordo com historiador Raimundo Pontes Filho, antes da conquista da autonomia política em 1850, o Amazonas, na época capitania do Rio Negro, era subordinado ao Grão-Pará, o qual possuía interesses comerciais pela região, dificultando um processo que poderia ter ocorrido décadas antes.
“Por volta de 1822, logo após a Independência do Brasil, houve um ato comunicando as comarcas que tivessem interesse em se tornar províncias remetessem suas cartas, mas as nossas não chegavam porque ficavam retidas no Pará. Não havia interesse do Grão-Pará de reconhecer a autonomia da capitania do Rio Negro”, contou o historiador.
Porém, as manifestações em favor da autonomia da capitania do Rio Negro começavam a surgir devido aos poucos investimentos do Grão-Pará na região. Segundo o historiador, a campanha ganhava entre os próprios paraenses. Muita gente manifestava a favor e o mais enfático deles era Tenreiro Aranha, propondo que essa elevação seria uma condição para a emancipação não só política, mas, também, para uma melhor condição do desenvolvimento local”, enfatizou o historiador.

 

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!