Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

Exército aponta trechos críticos durante recuperação da BR-364 no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma estrada que precisa de reparos de forma emergencial. Assim está a BR-364, no trecho que liga Rio Branco a Cruzeiro do Sul. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes no Acre (Dnit), que agora é o departamento responsável pela manutenção da estrada licitou uma empresa particular e fez um convênio com o 7° Batalhão de Engenharia de Construção (7° BEC) para recuperar o trecho.

O Exército é o responsável pelos próximos dois anos por 95 quilômetros de estrada.

“Dentro desse trecho, temos alguns pontos críticos e que já estamos atacando. O primeiro deles é logo após a ponte do riozinho Andirá. Depois outro trecho bastante complicado na região do Antimary. E temos um outro ponto crítico que é próximo de Sena Madureira, no córrego Brejo Seco, no igarapé Brejo Seco, que é uma cabeceira da ponte que já está cedendo”, explica o coronel Luis Henrique, comandante do 7° BEC.

O batalhão atua em obras de recuperação da BR-364 desde 2003. Mas, em meados de julho voltou para a estrada após o Dnit liberar os recursos necessários para a obra.

“Como nós não somos empresa, não temos capital de giro. Por isso, o Dnit precisa repassar o recurso para nós para que possamos iniciar o trabalho”, explica o comandante.

Uma das máquinas mais importantes é a de recuperação do asfalto. Ela realiza faz uma raspagem no asfalto danificado. Dentro ela tritura, por isso, é conhecida como uma recicladora. Mistura o asfalto com areia.

Antes, a equipe de laboratório realiza o teste de controle tecnológico para saber o grau de compactação da pista. E é o resultado dessa análise que vai liberar, ou não, o trecho para receber as novas camadas de piche e de asfalto.

“Se ela não estiver bem compactada, a gente manda passar duas ou três passadas de rolo que já é o necessário para receber uma compactação do asfalto. Se não for feito isso, é trabalho perdido, porque no futuro a base vai rachar, vai estourar e quando lançar, o asfalto fica bonito, mas, depois no futuro vai começar a abrir aqueles rachões”, diz o comandante.

O trabalho em alguns pontos compromete o fluxo de veículos, mas quem precisa trafegar pela BR entende a importância deste tipo de intervenção.

“Do jeito que estar, para conseguir chegar a um município desse chega com o carro que não presta mais”, diz o comerciante Raimundo Lima. O caminhoneiro Senal Ribeiro completa ainda que o trecho agora recuperado estava bem ruim.

“Eu passei aqui em Dezembro, estava muito feio esse trecho. Na época, passei três dias aqui”.

Luis Henrique pede que os motoristas tenham cautela e paciência ao passarem pelos trechos em recuperação. “Respeite a sinalização, evite realizar ultrapassagem próximo das áreas que estão sofrendo intervenção, porque corre o risco até mesmo de causar um acidente ou mesmo de atropelar um trabalhador ou um militar nosso que está atuando na pista”, orienta.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!