Rio Branco, Acre, 26 de setembro de 2020

Endividamento entre jovens: 12 milhões de brasileiros, entre 25 e 29 anos, estão inadimplentes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Nada menos que 12 milhões de jovens brasileiros estão endividados. Os dados são da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e apontam que 46% dos brasileiros, com idade entre 25 e 29 anos, estão inadimplentes. Entre os que têm idade entre 18 e 24 anos, a proporção é de 19% – somados, eles representam cerca de 12,5 milhões de pessoas.

O endividamento nesta fase inicial da vida – em geral, eles ainda moram com os pais e não têm despesas fixas com moradia – é preocupante. Laís Alves, tem 22 anos, trabalha e está no 8ª semestre do curso de Psicologia e também enfrenta o ciclo do endividamento. No caso de Laís, o endividamento foi causado pelo custo mensal da faculdade.

“Eu não tenho bolsa de estudo. Além disso, recebo apenas um salário mínimo e preciso arcar sozinha com os gastos que envolvem a minha graduação”, conta. Entretanto, mesmo cheia de despesas, a estudante tenta organizar a vida financeira. “Anoto todas as dívidas em uma agenda e vou vendo quais são as prioridades na hora de efetuar o pagamento. Também tento não fazer mais gastos mas, às vezes, é inevitável por conta dos imprevistos”, justifica.

Mesmo que com menor pressão financeira, o endividamento entre jovens acontece porque muitos não questionam o custo do crédito e são influenciados por propagandas e pela mídia. Geralmente, são jovens mal informados mas que estão sempre dispostos a pagar, sem contudo, terem dimensão das consequências da inadimplência. Para a coach empresarial especializada em finanças, Zaira Vasconcelos, os principais motivos para o endividamento entre os jovens são: crescimento do desemprego, redução da renda per capita e a falta de planejamento.

“Os jovens não querem se privar de ter uma roupa de marca ou ir para um determinado lugar. Nessa idade, existe a necessidade de inclusão, que faz com que eles extrapolem. Entretanto, na maioria das vezes, agir de forma impulsiva não parte da sua vontade consciente, é a forma que seu cérebro funciona. Imagine que um jovem nunca desenvolveu o hábito de poupar. Por mais que ele saiba que precisa, não fará isso. Porque por mais que ele tenha conhecimento racional, age emocionalmente”, explicou Zaira.

O perfil dos jovens endividados é bem característico, de acordo com a coach. Geralmente, eles estão ingressando no mercado de trabalho. “Nesse momento, a sedução do mercado financeiro é muito grande. E ainda existe o pensamento: Se eu posso comprar parcelado agora, por que juntar dinheiro para comprar daqui a um mês?”. Segundo Zaira, para mudar essa realidade, é necessário investir em educação financeira nas escolas desde o primeiro ano do ensino fundamental. “É necessário que exista também a parceria família e escola”, conclui a especialista.

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.