Rio Branco, Acre, 26 de setembro de 2020

Daniel Zen apresenta propostas para minimizar impacto da Reforma Previdenciária, enviada pelo governo do Estado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Com a Reforma da Previdência em pauta na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), a proposta enviada pelo governo do Estado aumenta, apenas, a pressão sobre os servidores públicos, aumentando o tempo de serviço e a contribuição. A partir das diversas conversas com os sindicatos e associações, o deputado Daniel Zen (PT) está construindo cinco propostas para amenizar os impactos maléficos sobre os trabalhadores.

“Tenho procurado participar da maior parte das reuniões sobre a proposta de Reforma da Previdência Estadual, enviada à Aleac pelo Governo Gladson Cameli (PP). A partir daí, elaborei 5 propostas de emendas, para tentar amenizar os efeitos maléficos que tal reforma causará nos direitos dos trabalhadores, servidores públicos do Acre”, afirmou o parlamentar.

A principal proposta trata sobre a cota patronal na contribuição previdenciária, que o patrão, neste caso o poder público, deve aportar. O deputado defende que este valor suba de 14% para 28%, com isso o déficit financeiro diminui de R$ 45 para R$ 30 milhões mensais, automaticamente.

“Quando digo que existem caminhos, é porque o déficit previdenciário existe mas não pode ser transferido todo para a conta do trabalhador. A parte mais forte dessa relação, que é o empregador, deve arcar com a maior parte deste ônus”, declara Zen. Ele explica que essa proposta, ainda, faz com que seja reduzida a despesa com pessoal, com uma medida meramente contábil.

Entenda

A despesa mensal do Acreprevidência com inativos e pensionistas é de, aproximadamente, R$ 75 milhões. A receita mensal é de R$ 30 milhões, sendo metade oriunda da contribuição dos servidores – que é descontada na fonte; e a outra metade vem da contribuição do empregador/governo do Estado.

O déficit financeiro mensal é de, portanto, R$ 45 milhões, que contribuem para que o déficit atuarial geral seja de mais de R$ 600 milhões. O governo do Estado aporta, todos os meses, esses R$ 45 milhões para suprir a necessidade de recursos para pagamento de aposentadorias e pensões e esse aporte extra é contabilizado como despesas com pessoal, pressionando o limite de gastos com pessoal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para cima.

Se aplicada a contribuição patronal de 14% para 28%, reproduzindo a regra do Regime Geral (RGPS) e do Regime Próprio da União (RPPS) – onde a contribuição do empregador é sempre o dobro da contribuição do empregado – esse déficit financeiro diminui de R$ 45 para R$ 30 milhões, automaticamente.

  • ASSESSORIA.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.