Médica é acusada de recusar transferência de paciente com Covid-19 e xingar equipe; vítima morreu

A médica Márcia Vasconcelos está sendo acusada de não aceitar a transferência de uma paciente com Covid-19 da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do 2º Distrito de Rio Branco para a UTI do Hospital Santa Juliana, na segunda-feira (13). A profissional ainda teria expulsado a equipe que levava a paciente e xingado o condutor de ambulância José Augusto Aiache, de ‘condutorzinho’.

A paciente era uma técnica em enfermagem da UPA do 2º Distrito que precisava ser transferida para uma UTI. Segundo Aiache, a profissional não resistiu à doença e morreu nesta terça (14).

O Hospital Santa Juliana disse que apura os fatos para se posicionar sobre o caso ainda nesta terça. A unidade de saúde também confirmou a morte da paciente, mas disse que está averiguando a causa.

Condutor da ambulância José Augusto Aiache diz ter sido ofendido — Foto: Arquivo pessoal

Condutor da ambulância José Augusto Aiache diz ter sido ofendido — Foto: Arquivo pessoal

“A paciente foi regulada pela Central de Leitos. A vaga já estava disponibilizada no Santa Juliana, então, nós do suporte avançado de Covid fomos buscar a paciente na UPA do 2º. Era uma funcionária da Saúde de 45 anos. Fomos fazer a transferência porque precisava de UTI, levamos em escala vermelha, a regulação já tinha acertado com o hospital, mas chegando lá a doutora Márcia disse que não ia receber porque não estava sabendo de nada”, afirmou o condutor.