Rio Branco, Acre, 26 de janeiro de 2021

Documentário ‘Cigarro do Crime’ mostra a rota paraguaia de contrabando do produto

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O cigarro mais consumido no Brasil se chama Eight e pode ser adquirido por menos de R$ 4 – o preço médio de um maço no país é de pouco mais de R$ 7. Sua fabricação ocorre fora do território nacional. O Eight, produzido no Paraguai, responsável pela produção anual de 70 bilhões de cigarros, é ilegal.

O pequeno vizinho do Brasil não consome nem um décimo da quantidade que produz. Boa parte dessa produção escoa no país via contrabando. É um mercado milionário, comparável ao tráfico de cocaína. Como o cigarro não é ilícito, seu contrabando ainda é visto como crime menor.

É essa a ideia geral do documentário Cigarro do crime, que será lançado nesta quinta-feira (14). Produzido pela Vice Brasil para o Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP), é dirigido pelo fotojornalista João Wainer. Ao longo de 45 minutos, a repórter Débora Lopes acompanha toda a cadeia do cigarro paraguaio, da produção à venda em pequenos comércios nas favelas brasileiras.

O filme foi rodado em São Paulo, Rio de Janeiro, Foz do Iguaçu e nas cidades paraguaias de Assunção e Ciudad del Este. Foram entrevistados jovens consumidores, trabalhadores da periferia de São Paulo, policiais, promotores e jornalistas, além de pessoas que atuam no contrabando diretamente.

Seis de cada 10 cigarros consumidos em nosso país vêm do Paraguai. O documentário traz imagens tão impressionantes quanto os números. Em um galpão no Brasil, a repórter tem acesso a um carregamento apreendido de dois milhões de maços.

Há também perseguições  policiais – parece coisa de filme. Contrabandistas pilotam veículos turbinados que podem alcançar 250km/h (chamados ‘cavalos doidos’) em estradas secundárias. Quando eles se veem perseguidos, os carros soltam fumaça pela pista para tentar despistar a polícia. Outro método comum é jogar pregos na estrada para furar os  pneus das viaturas.

Débora conversa com uma mulher que durante anos atuou como contrabandista, fazendo por terra a rota da mercadoria. Em seus melhores dias, ela chegou a receber R$ 100 mil.

CIGARRO DO CRIME

Estreia nesta quinta (14). Disponível gratuitamente no site www.vice.com e no canal do YouTube do FNCP. 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.