Rio Branco, Acre, 6 de março de 2021

Governo do Acre e Instituto Butantan trocam experiências no acompanhamento da pandemia de Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em videoconferência realizada na tarde desta quinta-feira, 28, representantes do governo do Estado e do Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19 no Acre se reuniram com representantes do Instituto Butantan, em São Paulo, para uma troca de experiências dos modelos de acompanhamento do avanço da pandemia de Covid-19.

Durante o encontro, os membros do Comitê apresentaram para a diretora de Projetos Estratégicos do Butantan, Cíntia Lucci, as diretrizes estabelecidas pelo Pacto Acre Sem Covid, a ferramenta estadual de gestão da crise sanitária e socioeconômica causada pela pandemia de Covid-19, que divide o grau de avanço da doença por bandeiras. O modelo foi inspirado naquele adotado em São Paulo e Pernambuco.

Cíntia Lucci elogiou o trabalho desenvolvido pelo comitê acreano e fez sugestões do que poderia ser modificado para aprimorar dados, ressaltando que é necessário entender o que vem pela frente e se preparar, observando o número de casos e usando sistemas estatísticos. A diretora ainda ofereceu uma oportunidade de integração entre as equipes de tecnologia da informação do Acre e do Butantan, para possíveis aprimoramentos.

“Ficamos felizes por ver um estado com um grupo tão competente na formação de seu comitê de acompanhamento, junto com pessoas de grande saber técnico. É um alívio poder conversar com vocês e realizar essa troca de experiências”, afirmou a diretora.

A coordenadora do Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, agradeceu a troca de experiências Foto: Odair Leal/Secom

O procurador-geral do Estado, João Paulo Setti, que esteve presente à reunião, relatou ainda o apoio que o Acre tem recebido, inclusive com interesse do órgão paulista em estudar o avanço da pandemia entre os povos indígenas do estado. A coordenadora do Pacto Acre Sem Covid, Karolina Sabino, também agradeceu a troca de experiências.

“Agradecemos por nos ouvirem e a chance de aprender com vocês. Temos muitos desafios comuns em nossos estados, e parcerias que podemos construir, como esta, são essenciais para enfrentá-los”, completou Karolina.

Pacto Acre Sem Covid

De acordo com o método definido pelo Pacto, a classificação em nível de risco é realizada conforme a delimitação territorial das regionais de Saúde do estado, a saber:  região do Alto Acre (Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri), Baixo Acre e Purus (Acrelândia, Bujari, Capixaba, Jordão, Manoel Urbano, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Senador Guiomard) e a região do Juruá e Tarauacá-Envira (Cruzeiro do Sul, Feijó, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Rodrigues Alves e Tarauacá).

A classificação em níveis de risco (bandeiras), expressa por meio de uma nota geral que varia de 0 a 15, é obtida por meio da mensuração de sete índices, sendo eles: isolamento social, notificações por síndrome gripal, novas internações por Síndrome Respiratória Aguda Grave, novos casos por síndrome gripal Covid-19, novos óbitos por Covid-19, ocupação de leitos clínicos Covid-19 e ocupação de UTIs Covid-19.

Os níveis de classificação de risco foram divididos em Vermelho, Laranja, Amarelo e Verde, respectivamente do mais restritivo para o mais flexível. A cada 14 dias é realizada uma nova avaliação dos indicadores, cabendo às prefeituras realizar a autorização das atividades permitidas no respectivo nível de risco apurado por meio de decreto municipal, bem como a instituição de protocolos sanitários a serem seguidos pelos setores da economia que estejam autorizados a funcionar.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.