Rio Branco, Acre, 7 de março de 2021

TCU abre fiscalização contra Pazuello sobre falta de oxigênio no Amazonas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O TCU (Tribunal da Contas da União) aprovou na última quarta-feira, 20, a abertura de fiscalização contra o Ministério da Saúde, encaminhada pelo Ministério Público Federal, sobre a crise no Amazonas causada pela falta de oxigênio. A decisão teve o voto favorável até do ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência do governo Jair Bolsonaro, Jorge Oliveira – um dos homens mais próximos do presidente durante a sua passagem pela gestão -, que tomou posse em dezembro de 2020.

Com a suspeita de crime envolvendo autoridades que têm foro privilegiado, o procurador da República Igor Spíndola encaminhou na quara-feira, 20, a parte criminal investigação a Augusto Aras, procurador-geral da República. Também estão sendo investigadas autoridades municipais e estaduais. Um ofício sobre a crise sanitária em Manaus já havia sido assinado por Aras, no domingo, 17. No documento, a PGR (Procuradoria Geral da República) dá 15 dias para que Eduardo Pazuello, ministro da saúde, dê informações sobre a omissão do ministério durante a crise em Manaus.

O MPF já teve o seu pedido de obrigar o governo federal a fornecer oxigênio urgentemente ao estado atendido pela Justiça Federal. A Advocacia-Geral da União (AGU), obrigada pela Supremo Tribuna Superior (STF) a dar explicações sobre as ações durante a falta de oxigênio no Amazonas, disse, na segunda-feira, 18, que o governo federal estava ciente desde o começo de janeiro dos riscos de o sistema de saúde de Manaus colapsar em dez dias.

REVISTA VEJA

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.