Rio Branco, Acre, 21 de janeiro de 2021

Termo que garante direitos da criança e do adolescente é assinado entre poderes no Acre

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A manhã desta terça-feira, 12, foi marcada pela assinatura de um termo de parceria entre poderes institucionais do Acre para o fortalecimento das ações que compõem o Sistema de Garantias dos Direitos da Criança e Adolescentes.

A cerimônia realizada no Palácio Rio Branco contou com a presença da primeira-dama do Estado, Ana Paula Cameli, representando o governo do Acre, além de integrantes de todos os órgãos envolvidos entre Ministério Público do Acre (MPAC), Tribunal de Justiça do Acre (TJAC) e Prefeitura de Rio Branco.

O principal objetivo do termo é estabelecer a efetividade das parcerias com instituições de acolhimento de crianças e adolescentes que sofreram violação de direitos humanos e que estejam em abrigos assistidos pelo poder público se recuperando de violência doméstica ou sexual.

“As crianças são o nosso futuro, porque são a nossa base. E quem me conhece sabe que eu trabalho em parceria, por isso ter essas instituições junto desse trabalho tão importante é de se comemorar. Crianças e adolescentes vulneráveis precisam de uma atenção imediata e este termo é para isso, acolhê-las na rede pública de saúde o mais rápido possível”, destaca Ana Paula Cameli.

Em Rio Branco, as entidades envolvidas na proteção de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade são o Educandário Santa Margarida, a Casa Lar Ester, a Casa Sol Nascente e o Abrigo Dra. Maria Tapajós. Com o termo, um novo fluxo de atendimento intersetorial de saúde em acolhimento institucional é criado para todos, com definições das unidades de saúde específicas, agendamento prévio e demanda livre mediante comunicação prévia para enfermagem e exames.

Em Rio Branco, quatro abrigos para crianças ganharam um novo fluxo para atendimentos urgentes Foto: Neto Lucena/Secom

A procuradora-geral do MPAC, Kátia Rejane, destaca que foi promotora da Infância e da Juventude por 14 anos e que ver o trabalho avançar dessa maneira hoje é um ganho muito especial.

“Essa luta pela efetivação dos direitos da criança e do adolescente já é bem antiga no Ministério Público. A luta é grande e o leque bem extenso, mas avançamos muito e hoje temos mais de sete colegas atuando em áreas específicas dentro desta promotoria.  O momento agora é de gratidão por todas as entidades parceiras neste termo, porque sempre acreditamos que cada um fazendo sua parte, as coisas fluem muito mais fácil”, enfatizou a procuradora-geral.

Representando o Tribunal de Justiça do Acre, a desembargadora Regina Longuini, que também atuou amplamente na criação do termo, completou: “Só tenho a agradecer a essa grande parceria em prol daqueles que não têm uma voz por eles. Nós somos mais fortes e capazes juntos, porque enquanto elas não têm uma família que as acolha, as instituições estarão cuidando”.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.