Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Federação chama de ‘covarde’ demissão de repórter que fez pergunta incômoda a Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre (Sinjac) repudiaram, em nota, a exoneração do repórter João Renato Jácome por parte do prefeito de Rio Branco Tião Bocalom (Progressistas).

O jornalista, que atuava como chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), desagradou o prefeito ao questionar o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), durante coletiva de imprensa no Acre, sobre as rachadinhas envolvendo Flávio Bolsonaro.

Na ocasião, Jácome estava de folga da prefeitura e a serviço do jornal Estadão como freelancer. Ao ContilNet, ele explicou que o fato de estar trabalhando de forma pontual para a empresa não foi o que motivou sua exoneração.

“Não faltei serviço. Fui liberado pela gestão da secretaria porque trabalhei de domingo a domingo desde o dia da posse do secretário. E aí tava tendo esse decreto, da bandeira vermelha, e a prefeitura fez um rodízio dos servidores e o secretário me deu folga na quarta. Se eu não estivesse de folga, não teria aceitado o convite do jornal para acompanhar a agenda do presidente”.

Leia abaixo a íntegra da nota da Fenaj e do Sinjac:

A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Acre (Sinjac), por meio de seu representante, o presidente Victor Augusto Nogueira de Farias, vêm a público repudiar a atitude covarde e a prática de censura do prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, que deveria defender e garantir direitos conquistados pela sociedade.

A Fenaj e o Sinjac manifestam repúdio contra a demissão do jornalista João Renato Jácome de Andrade, publicada na edição do Diário Oficial do Acre desta sexta-feira (26), por ter exercido o dever de questionar fatos durante coletiva de imprensa do presidente Jair Bolsonaro.

Com este violento ataque ao jornalismo, o prefeito Tião Bocalom afronta a liberdade de imprensa e o direito de acesso à informação garantidos pela Constituição.

As direções da Fenaj e do Sinjac exigem a anulação do ato e a reintegração imediata do profissional aos quadros da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

Fenaj e Sinjac

Com informações do Contilnet

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.