Rio Branco, Acre, 4 de março de 2021

Representantes de grupos religiosos agradecem governador por manter igrejas abertas durante a pandemia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A crise socioeconômica agravada pela Pandemia do novo coronavírus é realidade que, por mais que muitos tentem amenizar e até esconder, não há como ser desconsiderada. A vida cotidiana foi drasticamente alterada, o medo do sofrimento e da morte foi potencializado, a depressão e doenças psicológicas explodiram e a lógica do mercado que rege a economia foi posta à prova com altas demonstrações de fracasso.

Altamente contagiosa e com níveis de letalidade que requerem cuidados redobrados, a necessidade de manter as pessoas afastadas tem sido um dos maiores desafios para autoridades. Com medidas que proíbem aglomerações e regulações do que pode ou não funcionar, o propósito dos governantes tem sido basicamente manter a doença sobre controle e evitar o colapso do sistema de saúde. Entre as maiores discussões, está o funcionamento das igrejas. Será que as atividades desenvolvidas pelos líderes religiosos poder ser consideradas essenciais?

No Acre, após estudos e reuniões com o comitê de controle a doença, nesta segunda fase da pandemia, quando houve nova necessidade de regulação das atividades comerciais, foi decidido pelo governador Gladson Cameli, a inclusão das igrejas como atividade essencial. Seguindo protocolos exigidos pela vigilância Sanitária, ocupando apenas 20% da capacidade das igrejas, os cultos presenciais continuam sendo permitidos, mesmo durante a fase vermelha.

“No decorrer desse quase um ano de pandemia, eu tentei fazer o que achei melhor para nossa população. Não é do meu agrado ter que proibir o trabalhador de ganhar o seu sustento, mas chegou um momento em que precisei escolher entre a vida e a economia. Além desse problema, também percebi que o isolamento estava deixando as pessoas doentes, levando a acreditar que precisavam de uma ajuda e a melhor ajuda é a espiritual. Cheguei a conclusão de que a atividade é essencial e pode nos ajudar a sair dessa situação mais rápido. Tenho certeza de que foi a melhor escolha”, disse o governador.

Para os líderes religiosos, a decisão foi uma vitória. Nesta quinta-feira, 4, um grupo de pastores, representantes de várias igrejas, por intermédio da senadora Marilza Gomes, se reuniu e foi pessoalmente agradecer ao governador pela decisão de manter os templos religiosos em funcionamento.

“A pandemia trouxe consigo não só o vírus, mas também problemas com depressão, ansiedade, medo, doenças espirituais as quais podemos fazer a nossa parte e ajudar o estado a vencer essa pandemia. Um culto presencial trás a experiência que culto online nenhum pode trazer. Isso não tem nada a ver com arrecadação ou ganância por dinheiro como especulado pelas más línguas, mas com saúde, preservação de vidas, com trabalhos sociais, levando alimento às famílias e até a conscientização sobre os cuidados com a doença. Juntos, somos mais forte e podemos vencer essa pandemia. Temos orado pelos nossos governantes e pelo nosso estado”, destacou Marcos Maciel, representante da Comunidade Batista Vida.

Com informações da Agência de Notícias do Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.