Rio Branco, Acre, 21 de abril de 2021

Governadores organizam compra conjunta de vacinas, após ataque de Bolsonaro

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os estados e o Distrito Federal planejam compras conjuntas de vacinas contra a covid-19, sem intermédio do Ministério da Saúde. Segundo o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), informou à coluna do UOL, nesta terça-feira (2), 18 governadores visitarão, em Brasília, a sede da empresa União Química, que representa no Brasil a vacina russa Sputnik V.

“Não haverá a formalização de um consórcio. Nossa ideia é comprar cotas proporcionais à população de cada estado. Nenhum estado comprará mais do que o equivalente ao percentual de sua população. Sempre que comprarmos, haverá uma distribuição equitativa de doses. E cada estado pagará a sua cota, fazendo um contrato com o laboratório.”.

O movimento é uma reação ao presidente Jair Bolsonaro, que criticou medidas restritivas adotadas para tentar conter o avanço do coronavírus e acusou os governadores de “fechar os estados”.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou os estados, os municípios e o DF a importar e distribuir vacinas contra a Covid-19, registradas por pelo menos uma autoridade sanitária estrangeira, caso a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não observe o prazo de 72 horas para a expedição da autorização.

Casagrande explicou que 27 governadores estão comprometidos com a compra coletiva. Eles devem se reunir ainda com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Em um ano de pandemia, o país vive o pior momento. O governador do Espírito Santo lamentou o comportamento de Bolsonaro.

“Hoje, temos 20 estados com dificuldades de atender às pessoas que precisam de UTI. E o presidente, na semana do pior momento da pandemia, dá uma declaração menosprezando as máscaras. Não é fácil. Por isso iremos a Brasília. Já fizemos uma reunião com o Rodrigo Pacheco [presidente do Senado]. Estamos pedindo para que seja nesta terça-feira a reunião com o Arthur Lira”.

Na avaliação de Casagrande, o Brasil foi derrotado pela covid-19.

“Perdemos a guerra. Se tivéssemos fechado contratos para a aquisição de vacinas antecipadamente poderíamos ter muito mais doses. Perdemos a guerra porque estamos assistindo à morte de 1.200 pessoas, 1.300 brasileiros por dia. É uma bomba atômica. É como se tivesse caído uma bomba atômica no Brasil. Temos mais de 250 mil mortos. É muita gente”, disse referindo-se aos ataques sofridos pelo Japão, durante a Segunda Guerra Mundial, quando se calcula que as bombas lançadas pelos Estados Unidos sobre Hiroshima e Nagasaki tenham deixado cerca de 210 mil mortos.

Com informações Yahoo Notícias

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.