Rio Branco, Acre, 23 de abril de 2021

Mourão diz que vai se vacinar contra o novo coronavírus nesta segunda-feira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O vice-presidente Hamilton Mourão disse que vai se vacinar contra a Covid-19 nesta segunda-feira (29), depois do almoço. Mourão tem 67 anos. Pessoas dessa idade começaram a ser vacinadas no Distrito Federal no último sábado.

“Vou a um drive-thru desses aí naquele que tiver menos gente nessa hora, para não perder muito tempo”, disse Mourão nesta segunda ao chegar ao Palácio do Planalto.

Em 18 de março, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, de 73 anos, foi o primeiro integrante do alto escalão do governo a se vacinar contra a Covid-19. Após tomar a primeira dose, ele compartilhou um vídeo do momento em suas redes sociais e destacou ter sido uma escolha pessoal. Ao mesmo tempo, afirmou que o governo defende a vacinação em massa.

presidente Jair Bolsonaro, de 66 anos, já deu várias declarações em sentido contrário. Chegou a dizer, por exemplo, que não se vacinaria e criticou em especial a CoronaVac, imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac e testado no Brasil pelo Instiuto Butantan, ligado ao governo de São Paulo. O estado é administrado pelo governador João Doria, um ex-aliado que hoje é um dos principais adversário do presidente. Nas últimas semanas, o governo federal vem mudando o tom e estimulando a vacinação.

Nesta segunda-feira, Mourão também foi questionado sobre a crise política envolvendo o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, mas disse que a decisão sobre a manutenção dele no cargo é de Bolsonaro . Em janeiro, Mourão havia sugerido que o chanceler poderia deixar o governo numa reforma ministerial.

“Fui tomar conhecimento ontem à noite. Então deixo aí a critério de quem tem o poder de decidir. A minha opinião, se o presidente perguntar, eu digo para ele. Só para ele”, disse o vice-presidente nesta segunda.

Em sua conta no Twitter no domingo, Araújo sugeriu que a pressão do Congresso para sua demissão não teria ligação com questões diplomáticas em torno da obtenção de vacinas contra a Covid-19, mas sim com o debate sobre o banimento ou não da empresa chinesa Huawei da implantação da tecnologia 5G no Brasil. O chanceler afirmou ter sido procurado pela presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Kátia Abreu (PP-TO), no início do mês e que “pouco ou nada se falou de vacina”.

Fonte: IG.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.