Rio Branco, Acre, 19 de junho de 2021

Deputado Edvaldo Magalhães volta a defender legalidade da greve da Educação e repudia fala de Bittar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Assessoria.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) voltou a defender o direito de greve dos trabalhadores em Educação no Acre. Durante a sessão desta quarta-feira (26), o parlamentar disse que o movimento é justo e necessário. Acrescentou que não cabe medida judicial para tentar barrar o movimento, mas sim cabe ao governo sentar e negociar com os servidores.

“Eles foram apunhados pelas costas pelo governo do Estado, ao anunciar pela Secretaria de Estado de Educação enviaria uma proposta à PGE, mas o que foi feito foi uma ação para declarar a greve inconstitucional, ilegal. Cabe ao governo acatá-la ou negá-la [a proposta dos trabalhadores]”, disse Edvaldo Magalhães.

O parlamentar destacou que “a Justiça não tem que se meter na pauta de reivindicação de uma categoria. Quero dizer que não aceitamos esse tipo de imposição aos trabalhadores e trabalhadoras de ter o direito de fazer a sua greve, justa e necessária. Portanto solidariedade total aos trabalhadores, que hoje em uma grande mobilização tomam conta das ruas e das praças do Acre”, disse o parlamentar ao destacar movimentos realizados em Cruzeiro do Sul, nas dependências externas da Catedral Nossa Senhora da Glória e em Rio Branco em frente ao Tribunal de Justiça do Acre (TJAC).

Em outro trecho, o parlamentar repudiou as declarações do senador Marcio Bittar (MDB/AC), que disse que a vacinação dos professores e do corpo técnico escolar contra a covid-19 seria a busca de “privilégios” por parte dos educadores ao incluir o tema na pauta de reivindicação.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.