Rio Branco, Acre, 20 de junho de 2021

Polícia Civil do Acre deflagra 4ª fase da Operação Fake Bois

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Com informações da Agência de Notícias do Acre.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Nas primeiras horas desta terça-feira, 18, a Polícia Civil do Acre, por meio do Grupo de Enfrentamento aos Crimes Contra a Ordem Tributária (Gecot), em ação conjunta com o Instituto de Defesa Animal e Florestal do Acre (Idaf), Secretaria Estadual de Fazenda (Sefaz), Polícia Civil de Rondônia (PC/RO), Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron/RO), Polícia Civil de Goiás (PC/GO), Secretaria de Economia/GO, Agrodefesa/GO e Agência de Defesa Animal e Florestal do Amazonas (Idaf/AM), deflagrou a quarta fase da Operação Fake Bois, denominada Na Mexida do Boi.

Nesta fase da operação foi possível aprofundar o viés financeiro das investigações e identificar, inclusive, o crime de lavagem de dinheiro protagonizado pela organização criminosa que atuava nos estados do Acre, Rondônia, Amazonas e Goiás, com auxílio de servidores públicos que contribuíram para cometimento dos delitos investigados.

A operação policial que contou com mais de cinquenta policiais e sete delegados do Acre, Amazonas, Rondônia e Goiás deu cumprimento a sete mandados de busca e apreensão, cinco mandados de prisão, sequestro de três veículos, apreensão de 950 bovinos e ainda bloqueio em cinco contas bancárias no valor total de R$ 2.966.526,20.

Das 950 cabeças de gado apreendidas, 175 delas foram sequestradas no Amazonas, 657 no Acre e 118 em Goiás. De acordo com o diretor Administrativo Tributário da Secretaria da Fazenda Estadual, Clovis Monteiro Gomes, a sonegação fiscal gira em torno de seis milhões de reais, além do sequestro de três veículos que eram usados pelo grupo criminoso.

A operação exitosa teve seis meses de investigação o que possibilitou desmantelar um grupo criminoso que retirava rebanho bovino do estado sem o devido recolhimento de tributário que, por sua vez, seria reinvestido nas áreas de educação, saúde e na própria segurança pública.

Para o delegado-geral de Polícia Civil, Josemar Moreira Portes, a operação foi exitosa sobretudo na proteção do erário público.

“O Gecot foi criado ao final do ano passado pela Polícia Civil para o enfrentamento e responsabilização daqueles que atentam contra o erário público no tocante aos tributos e à legislação tributária. Estamos em franca atuação, encerramos mais uma ação exitosa e nesse contexto a Polícia Civil tende a ganhar maior envergadura no enfrentamento a esse tipo de criminalidade para assim proteger o erário público e a tributação estadual e municipal”, destacou o delegado-geral.

Para o delegado Pedro Resende, coordenador do Gecot,  a ação terá desdobramentos. “Nós encerramos mais uma fase da operação Fake Bois e dentro dessa investigação teremos mais ações da Polícia Civil do Acre em parceria com os órgão de controle sanitário e fiscal dos demais estados”.

Durante o cumprimento dos mandados foi possível capturar três servidores públicos envolvidos em crimes de corrupção no Acre, um pessoa presa em Jataí/GO e um em Nova Mamoré/RO.

O nome da operação, que é um desdobramento da primeira fase da operação Fake Bois faz referência ao costume dos integrantes da organização se comunicar sempre com os dizeres “na mexida do boi” em referência à modalidade de atuação dos criminosos.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.