Rio Branco, Acre, 31 de julho de 2021

Acre adere à campanha de enfrentamento à violência contra a pessoa idosa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O Junho Violeta tem como data oficial o dia 15, Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa. O objetivo da campanha é conscientizar a sociedade sobre as diversas violências contra o idoso. A cor violeta, além de ser uma cor viva, simboliza a necessidade de cuidado, carinho e atenção que os idosos precisam. Apesar de pequena e frágil, expressa intensidade e beleza em sua tonalidade. Visa mostrar que ao invés de maltratar um idoso, o melhor é ofertar delicadeza pelo simples fato da sua existência.

Declarada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa, em 2006, a data busca conscientizar a sociedade da existência da violência contra esse público e prevenir novos casos. No Brasil, o Estatuto do Idoso (Lei 10.741, de 2003) considera violência contra o idoso qualquer ação ou omissão que lhe cause morte, dano ou sofrimento físico ou psicológico.

O Disque 100, canal de atendimento 24 horas, que recebe denúncias de violação de Direitos Humanos e encaminha para os órgãos responsáveis, revelou dados que indicam que só no primeiro semestre deste ano mais de 33,6 mil casos de violações de direitos humanos foram registrados contra o idoso no país.

De acordo com o Painel de Dados da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, no Acre, em 2020, foram recebidas 246 denúncias de violência contra a pessoa idosa, totalizando 973 violações de direitos e desde o início de 2021 até o mês corrente, somam-se 71 denúncias, sendo identificados 291 direitos violados, 81,69% das denúncias recebidas era do sexo feminino, sendo que em 47,89% das denúncias o suspeito de agressão era do sexo masculino.

Tipos de violência contra a pessoa idosa

As violências contra a pessoa idosa podem ser visíveis ou invisíveis. As visíveis são as mortes e lesões. As invisíveis são aquelas que ocorrem sem machucar o corpo, mas provocam sofrimento, falta de esperança, depressão e medo. A violência contra a pessoa idosa pode assumir várias formas e ocorrer em diferentes situações.

Os abusos físicos constituem a forma de violência mais perceptível aos olhos dos familiares, nem sempre o agressor(a) irá cometer agressões que sejam tão perceptíveis como situações de espancamento que promovam lesões ou traumas que possam chamar a atenção das pessoas. Em algumas situações, os abusos são realizados na forma de beliscões, empurrões, tapas ou agressões que não evoluem com sinais físicos.

A violência psicológica é quando os atos praticados são agressões verbais, tratamento com menosprezo ou qualquer ação que traga sofrimento emocional como humilhação, afastamento do convívio familiar ou restrição à liberdade de expressão.

A negligência e o abandono também são tipos de violência. A negligência trata-se da recusa ou a omissão de cuidados. É um ato muito comum, pois se manifesta frequentemente tanto no seio familiar como em instituições que prestam serviços de cuidados e acolhimento a pessoas idosas. O abandono é uma forma de violência que se manifesta pela ausência de amparo ou assistência pelos responsáveis em cumprir seus deveres de prestarem cuidados a uma pessoa idosa.

O abuso financeiro também é considerado uma prática de violência. Ele se caracteriza pela exploração imprópria e ilegal do uso não consentido pela pessoa idosa de seus recursos financeiros. O violador se apropria indevidamente do dinheiro ou cartões bancários da pessoa idosa utilizando o valor para outras finalidades. Geralmente acontece por parte de familiares, conhecidos ou instituições financeiras.

Já a violência patrimonial leva o violador a obrigar a pessoa idosa a assinar um documento sem lhe ser explicar para que fins é destinado, fazer alterações em seu testamento, fazer uma procuração, antecipação de herança ou venda de bens móveis e imóveis sem o consentimento espontâneo do idoso e falsificação de assinaturas.

Também existe a violência sexual.  Essas violências podem ocorrer na própria casa, por pessoas da família e também em instituições que prestam atendimento a pessoas idosas. Mulheres idosas com patologias físicas que as impedem de andar, são ainda mais vulneráveis.

Direitos do idoso

Segundo a presidente do  Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa (CEDI),  Marize Barbosa, o CEDI estará desenvolvendo atividades cujo  foco será  chamar a atenção da sociedade para que seja assegurado ao idoso todos os seus direitos humanos como, proteção integral, participação na comunidade, dignidade, respeito, bem estar e a efetivação dos direitos à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade religiosa, à convivência familiar e à segurança, colocando a pessoa idosa a salvo de qualquer espécie de violência.

Um estudo feito com 290 idosos, acompanhados na atenção primária à saúde de Rio Branco, no período 2016-2017, a violência psicológica foi mais prevalente na amostra (30,6%), seguida da violência financeira (25%) e física (17,2%). As variáveis de segurança de bairro, renda familiar, síndrome de fragilidade, depressão, câncer, acidente vascular cerebral, raça/cor e excesso de bebida alcoólica foram os fatores associados à prevalência de violência geral.

“Evidenciou-se uma alta prevalência de violência geral nos idosos estudados, com percentual de 52,6% e os fatores associados foram, majoritariamente, relacionados a uma saúde fragilizada. Defende-se que estratégias de promoção do envelhecimento saudável possam também auxiliar no enfrentamento da violência contra a população idosa”, diz Polyana Bezerra, autora da pesquisa, docente da Universidade Federal do Acre e também conselheira do CEDI/AC.

De acordo com dados mais recentes do canal Disque 100, as denúncias apontam para um crescimento de violações de direitos das pessoas idosas durante o período da pandemia e isolamento social. O isolamento social é uma medida de proteção para a população idosa, que é classificada como público mais vulnerável às complicações mais graves da doença. Entretanto, essa medida também acaba expondo os idosos a situações de risco para práticas de violações de direitos.

Qualquer violência contra a pessoa idosa pode ser denunciada através dos seguintes canais:

Disque 100 ou pelo whatsapp no número (61) 996565008;

Delegacia do Atendimento ao Idoso – 181

Delegacia de Atendimento ao Idoso/Polícia Civil – (68)3225 5515;

Conselhos de Direitos da Pessoa Idosa – (68) 3227-4269 ou [email protected];

Subnúcleo de Direitos Humanos 2/Defensoria Pública – (68) 99978-9164 ou [email protected];

Promotoria Especializada de Direitos da Pessoa Idosa e Pessoas com Deficiência Física – (68) 3212 6811 ou [email protected].

“Todos nós devemos ficar atentos para os principais tipos de violência contra os idosos e protegê-los sempre que possível. Os idosos são frágeis e estão vulneráveis a maus tratos físicos, psicológicos, golpes financeiros e até mesmo negligência com alimentação e higiene pessoal. Infelizmente muitos idosos são vítimas nos próprios meios em que vivem, entre filhos e netos, onde melhor deveriam ser tratados. As famílias e pessoas próximas precisam ter consciência do papel que lhes cabe na proteção dos idosos, particularmente em respeito ao que os idosos fizeram por eles durante a vida útil”, afirma a secretária de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM), Ana Paula Lima

Pacto Nacional de Implementação da Política de Direitos da Pessoa Idosa

A campanha de enfrentamento à violência contra o Idoso se tornará de forma permanente agora. 12 Estados do Brasil já adotaram o Pacto Nacional de Implementação da Política de Direitos da Pessoa Idosa.

O Pacto tem por objetivo assumir um compromisso entre os governos federal, estadual e municipal de implementarem as principais políticas públicas que visam a promoção e defesa dos direitos das pessoas idosas, ações essas previstas no estatuto do idoso, com as seguintes propostas:

– Difundir a Política Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa, em especial o Estatuto do Idoso, em território nacional;

– Ampliar o número de Conselhos dos Direitos das Pessoas Idosas;

– Reduzir o índice de violência contra a pessoa idosa;

– Criação do Fundo Estadual e Municipal do Idoso;

– Criação da Rede de Cuidados e Proteção.

Neste primeiro semestre o intuito é sensibilizar gestores municipais para a formação de Conselhos Municipais de Direito da Pessoa Idosa, conselheiros, gestores municipais, criando os conselhos e incentivando também a criação dos Fundos Municipais de Pessoa Idosa, que é uma forma de captação de recursos do Imposto de Renda e também de outras doações para fortalecer o financiamento da política do idoso local.

A titular da SEASDHM explica que o Acre, além de ter sido o segundo Estado a aderir ao Pacto, já concluiu a primeira etapa, que foi a assinatura do termo de adesão e agora caminha para a conclusão da segunda etapa. “O Pacto Nacional da Pessoa Idosa é um momento importante para difundir a Política do idoso em nosso Estado. Estamos trabalhando para que todos os municípios façam a  adesão ao pacto, por entender a importância da implementação dessa política através dos conselhos e principalmente pela regularização  e funcionamento de um dos principais instrumentos de captação de recursos que são os fundos municipais do idoso”, completa a titular.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!