Rio Branco, Acre, 19 de junho de 2021

Economia acreana já é beneficiada pela ponte do Rio Madeira após um mês de inauguração

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Há exatamente um mês, o presidente Jair Bolsonaro, juntamente com o governador Gladson Cameli e outras autoridades do Acre e Rondônia, inauguravam a ponte sobre o Rio Madeira, em Abunã (RO). A estrutura é a concretização de um sonho dos dois estados e representa o início de uma nova era de progresso e oportunidades para cerca de um milhão de pessoas, que habitam a região mais ocidental do país.

De maneira mais imediata, os caminhoneiros que passam por aquele trecho da BR-364 estão entre os principais beneficiados com a ponte. Horas de espera e transtornos causados pela travessia em balsas  fazem parte do passado. Agora, ir de uma margem a outra do imponente Madeira é uma questão de poucos minutos, sem o pagamento de taxas.

Afastado esse gargalo logístico, investidores já estão sondando as potencialidades da região. Nesse aspecto, o agronegócio e o corredor rodoviário para os países andinos e seus respectivos portos marítimos no Oceano Pacífico despontam como alternativas para o desenvolvimento socioeconômico do Acre.

O governador Gladson Cameli, que sempre atuou incisivamente pela construção da ponte, avaliou a nova realidade na travessia do Rio Madeira naquela localidade. O gestor lembrou que a estrutura era uma demanda histórica e reafirmou que o estado está pronto para receber novos empreendimentos.

“Esperamos tanto por esse momento e, agora, é uma realidade. Nunca mais dependeremos de balsas e essa foi uma das maiores conquistas do povo acreano. Da nossa parte, estamos de braços abertos para receber quem queira investir na nossa terra e contribuir para a geração de emprego e renda. Muito em breve, vamos colher os frutos positivos dessa ponte”, destacou Cameli.

Para Egídio Garó, consultor da presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio-AC), vários fatores atuarão de maneira positiva para o fortalecimento da economia acreana, como é o caso do aumento nas relações comerciais com outros países.

“A médio e longo prazo, a abertura da ligação pela ponte poderá ser vislumbrada com maiores detalhes, inclusive quando da recuperação da atividade industrial, que deve demandar mais fretes para suprimento dos estabelecimentos acreanos. Deve ocorrer, e é esperado, um aumento dos negócios para as áreas de livre comércio e as exportações via Peru, também previstas para incremento a médio e longo prazo”, enfatizou.

“A ponte trouxe mais rapidez e segurança”, afirma empresária do setor de transporte de cargas

Nazaré Cunha é proprietária de uma transportadora e presidente do Sindicato das Empresas de Logística e Transportes de Cargas do Estado do Acre (Setacre). Segunda ela, a ponte trouxe inúmeras vantagens para o setor desde a sua abertura.

“A rapidez e a segurança são os principais benefícios. Antes, não tínhamos uma estimativa do tempo em que as carretas chegariam a Rio Branco. Agora, sabemos que o tempo médio entre Porto Velho e Rio Branco é de seis a sete horas de viagem”, pontua.

Nos períodos mais críticos da travessia, que ocorriam durante os momentos de cheia e seca das águas do Rio Madeira, os veículos chegavam a esperar até 36 horas para ir de uma margem a outra. O tempo de espera prolongado trazia riscos de saques às cargas, assim como de danos às próprias carretas.

“Também melhorou muito a questão da segurança. Nossas carretas corriam o risco de serem alvo de ladrões enquanto esperavam na fila da balsa durante à noite. Com a ponte, esse perigo não existe mais”, disse.

O fim do pagamento de taxas para atravessar o rio também está trazendo economia para o setor de cargas. A empresa que realizava a travessia cobrava até R$ 290, dependendo do tipo de veículo. No caso das transportadas, as empresas não precisarão mais arcar com um seguro extra por conta da passagem fluvial.

Nazaré relata ainda que a falta de uma ponte naquele trecho afastava profissionais autônomos de transportarem para o Acre. “Muitos caminhoneiros rejeitavam fazer o frete por conta da balsa e da demora. Os que aceitavam, acabavam cobrando mais caro por conta disso. Agora, esse problema foi eliminado”, afirma.

  • Por Wesley Moraes, da Agência de Notícias do Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.