Rio Branco, Acre, 30 de julho de 2021

Gladson veta parcialmente PL que autoriza contratação de médicos formados no exterior

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O projeto de lei apresentado pelo deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) foi vetado, parcialmente, pelo governador Gladson Cameli (PP). O PL refere-se à contratação emergencial e temporária de médicos formados no exterior, que tenham exercido medicina no Brasil por meio do Programa Mais Médicos enquanto durar o estado de calamidade pública devido a Covid-19. O objetivo do projeto é suprir o déficit de profissionais médico no âmbito estadual e municipal para o combate da Covid-19.

O governador vetou alguns pontos da matéria, em específico ao que se refere a seleção dos candidatos. Com isso, os médicos brasileiros que formaram no exterior e não possuem o Revalida foram excluídos. Ao que tange os médicos estrangeiros residentes no Brasil, a contratação poderá ser feita caso tenham exercido a medicina no país de origem e não realizaram o revalida, como prevê a Lei Federal nº 12.871, de 2013.

As justificativas apresentadas pelo governador apontam que “as alíneas “c” e “d”, do §3º, do art. 1º estão em desarmonia com a competência legislativa privativa da União acerca das condições para o exercício das profissões (art. 22, inc. XVI, CRFB/88), pois ainda que o PL não crie condições para o exercício da medicina, faz referência à Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013, que estabeleceu a criação do Programa Mais Médicos, e esta, pode ser aplicada apenas aos médicos que já tenham exercido ou exercem a medicina nas condições instituídas no programa.

Para Cameli não é possível a contratação de médicos que não contemplam os requisitos estabelecidos pelo programa. “Considerando o contexto fático-jurídico decorrente da emergência de saúde pública ocasionada pela pandemia da covid-19, é possível ponderar que a pessoa que já tenha exercido a medicina de acordo com o programa federal esteja preparada para o exercício da profissão, na forma e condições previstas pela Lei Federal nº 12.871/2013, todavia tal ponderação não é passível de extensão ao disposto nas alíneas “c”, e “d”, do §3º, do art. 1º, tendo em vista que esses dispositivos excluem da condição para o exercício da medicina a experiência comprovada no Programa Mais Médicos”, disse o governador.

O art. 2º que estabelecia que o Governo do Estado, junto a Secretaria de Estado de Saúde Sesacre e do Comitê Acre Sem Covid, regulamentaria a nova lei. Porém, para o governador, este artigo fere o art. 54 da Constituição Estadual, que trata das competências do chefe do Palácio Rio Branco.

Com isso, cabe aos deputados se movimentaram para derrubar ou manter o veto parcial do governador. A votação agora acontece em plenário de forma nominal, ou seja, cada parlamentar irá declarar seu voto publicamente. A matéria considerada polêmica, recebeu emenda do deputado-relator Roberto Duarte (MDB).

As emendas têm como objetivo estabelecer os critérios de seleção dos profissionais, criando requisitos que possibilitam o governador e prefeitos o preenchimento das vagas, adotando como critério balizador a participação no Programa Mais Médicos.

ALEAC

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!