26.1 C
Juruá
quinta-feira, junho 30, 2022

Anistia Internacional acusa Rússia de cometer crimes de guerra da Ucrânia

Por Veja Abril.

Anistia Internacional acusou nesta segunda-feira, 13, a Rússia de cometer crimes de guerra durante ataques à cidade de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia. Segundo um novo relatório de 40 páginas, o exército russo teria usado meios indiscriminados de ataque, como bombas de fragmentação.

“Os repetidos bombardeios de bairros residenciais em Kharkiv são ataques indiscriminados que mataram e feriram centenas de civis e, como tal, constituem crimes de guerra”, disse o relatório. “Isso é verdade tanto para os ataques realizados com bombas de fragmentação quanto para aqueles realizados com outros tipos de foguetes e projéteis não guiados, que são indiscriminados quando usados ​​nas proximidades de concentrações de civis.”

Os pesquisadores da Anistia dizem que “documentaram sete ataques em diferentes áreas de Kharkiv, onde encontraram munição de bombas de fragmentação 9N210 ou 9N235”.

A Convenção das Nações Unidas sobre Bombas de Fragmentação, que entrou em vigor em 2010, proíbe o uso dessas armas. A Rússia não é parte do tratado (nem os Estados Unidos).

“Essas bombas são inerentemente de uso indiscriminado. Elas liberam dezenas de submunições no ar, espalhando-as indiscriminadamente por uma grande área de centenas de metros quadrados. Além disso, têm uma alta taxa de fracasso, com uma alta porcentagem de falha em explodir no impacto e, assim, efetivamente se tornando minas terrestres, que representam uma ameaça para os civis muito tempo após a implantação.”

Donatella Rovera, conselheira sênior de resposta a crises da Anistia Internacional, disse que a investigação era “mais uma indicação de total desrespeito pelas vidas civis”.

“Pessoas foram mortas em suas casas e nas ruas, em playgrounds e cemitérios, enquanto faziam fila para receber ajuda humanitária ou compravam comida e remédios”, disse ela. “O uso repetido de bombas de fragmentação amplamente proibidas é chocante.”

Autoridades russas insistiram repetidamente que não visam civis. No entanto, o relatório aumenta as evidências de um número generalizado de mortes de civis desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro.

O escritório de direitos humanos das Nações Unidas disse na semana passada que documentou 4.339 mortes de civis e 5.246 feridos na Ucrânia desde o início da guerra. O escritório disse acreditar que os totais reais sejam muito maiores, mas não conseguiu receber contagens precisas de áreas onde os combates continuam intensos.

Autoridades ucranianas disseram que até 20.000 civis podem ter sido mortos durante o cerco a Mariupol, que a Rússia tomou no mês passado. Imagens de satélite mostraram cemitérios de valas comuns em expansão fora da cidade.

Kharkhiv permanece sob controle ucraniano, mas sua localização perto da fronteira russa no nordeste do país o tornou um alvo desde o início da guerra. A Anistia disse que 606 civis foram mortos na região de Kharkiv entre 24 de fevereiro e 28 de abril, citando o chefe do departamento médico regional.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!