Deputada Perpétua Almeida vai à embaixada do Irã prestar solidariedade

A deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) escolheu seu lado numa possível guerra entre os Estados Unidos e o Irã. Em caso de um conflito bélico entre as duas nações, ela se posicionará ao lado dos mais fracos – no caso os iranianos.

Foi o que disse, nesta segunda-feira (6), em Brasília, a deputada numa visita à embaixada do Irã no Brasil. A deputada estava acompanhada do marido, o deputado estadual Edvaldo Magalhães, presidente do PCdoB no Acre, e do ex-candidato a presidente João Vicente Goulart, que agora também faz parte da direção do partido comunista.

Os três assinaram o livro se condolências da embaixada em solidariedade ao país pela morte do general Qasem Sokrimani, líder militar do movimento e do regime dos aiatolás que tomaram o poder no país há 40 anos. O general foi morto, ao lado de outras cinco pessoas, num atentado no aeroporto de Bagdá, por tropas norte-americanas sob o comando do presidente Donald Trump. O presidente brasileiro Jair Bolsonaro se solidarizou aos EUA e anunciou que, em caso de guerra contra o Irã, o Brasil ficaria ao lado de Trump.

Integrante da bancada de oposição a Bolsonaro no Congresso Nacional, Perpétua Almeida é contra o alinhamento do Brasil aos EUA nesta guerra e disse que o general Soleimani foi assassinado de forma covarde.” “É preciso condenar veementemente a invasão de países e a destruição de de populações inteiras. Precisamos de paz no mundo e precisamos fazer com que ela, de fato, aconteça”, disse à deputada.