Rio Branco, Acre, 28 de setembro de 2020

Para ajudar Cunha, PMDB pode se abster de votar em plenário

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Os parlamentares do PMDB estudam a possibilidade de combinar um movimento de abstenção coletiva para diminuir o constrangimento do presidente da Câmara afastado, Eduardo Cunha. Segundo informações do jornal O Globo, a ideia é considerada uma “saída mais honrosa” para o deputado e para o partido.

Caso seja posta em prática, a abstenção pode ser vantajosa para Cunha, que escapará da cassação se menos de 257 dos 513 deputados votem contra ele. “Há os que pensam em ajudá-lo e defendem que a melhor forma seria fechar posição pela abstenção na bancada e deixar para os outros partidos cassá-lo. Se houver liberação e cada um no PMDB votar como quiser, sobram poucos ao lado dele”, afirmou deputado que preferiu não se identificar.

Segundo cálculos de aliados de Cunha, algo entre 10 e 20 deputados devem votar a favor do parlamentar afastado. A abstenção resolve a desconforto de quem não quer se “queimar” perante Cunha, mas não arrisca defendê-lo em ano eleitoral.

“É uma conversa que todo mundo está evitando ter, mas a abstenção pode ser uma saída menos indelicada do partido, e Cunha foi nosso líder, amigo, um bom presidente da Câmara. Se o PMDB fosse o fiel da balança, a gente decidia a favor dele, mas a situação dele independe de nós, a maioria dos partidos vota pela cassação”, avaliou a fonte.

 

Com informações de O Globo.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.