Rio Branco, Acre, 3 de março de 2021

Comitê de Ações Integradas de Meio Ambiente discute ocupações irregulares nas florestas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Em reunião realizada nesta segunda-feira, 22, representantes das mais de dez instituições que compõem o Comitê de Ações Integradas de Meio Ambiente discutiram a situação das ocupações irregulares nas florestas estaduais. As invasões nas florestas, especialmente na Floresta Estadual do Antimary e Floresta Estadual do Afluente, vêm sendo tratadas como prioridade nas missões integradas contra crimes ambientais.

Estão sendo realizadas constantes missões, com equipes em campo por via terrestre e também aérea. De acordo com a diretora executiva da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Vera Reis Brown, depois da criação do Centro Integrado de Geoprocessamento e Monitoramento Ambiental (Cigma), em 2019, houve uma significativa melhora nas condições de monitoramento.

O uso dos dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) e de novas ferramentas de geotecnologias, como a interpretação das imagens dos satélites Sentinel 2, LandSat e Cbers, estão entre os principais destaques nesse avanço.

“Num futuro próximo teremos condições de fazer uso de imagens Planet, através da participação no Programa Brasil M.A.I.S do Ministério da Justiça e Polícia Federal. Estamos dando apoio aos municípios, por meio do Cigma, capacitando os técnicos para monitoramento em tempo real da situação de cada região”, explicou Vera Reis.

Durante a reunião foram repassadas as informações obtidas por meio do monitoramento das áreas com ocupações irregulares. Diante da situação considerada de alta criticidade pelos participantes do encontro, as missões integradas continuarão a ser intensificadas.

As missões integradas são realizadas em todas as florestas, no Parque Estadual Chandless e na Área de Relevante Interesse Ecológico Japiim Pentecoste, reunindo equipes da Sema, Imac, Polícia Civil e Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA) da PMAC, com o apoio da Força Nacional.

Além da Força Nacional, as instituições federais parceiras são o Exército Brasileiro, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF).

O Comitê é formado pelas secretarias de Estado de Meio Ambiente (Sema), Planejamento e Gestão (Seplag), Infraestrutura (Seinfra), Desenvolvimento Urbano e Regional (Sedur), Instituto de Meio Ambiente do Estado do Acre (Imac), Instituto de Mudanças Climáticas e Regulação do Clima (IMC), Instituto de Terras do Acre (Iteracre), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Polícia Militar do Estado do Acre (PMAC), Polícia Civil, Secretaria Adjunta de Licitações (Selic/Seict), Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e Ministério Público Estadual (MPAC).

Coordenado pela Sema, o grupo delibera sobre ações de monitoramento, comando e controle para coibir o desmatamento, queimadas, incêndios florestais e ilícitos ambientais em todo território acreano, em especial nas unidades de conservação do estado. Além de ações contra crimes ambientais, o comitê tem contribuído para promover a consolidação de ações de desenvolvimento sustentável no Acre.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.