Rio Branco, Acre, 22 de abril de 2021

Cobija altera horário de circulação durante fechamento da fronteira

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Horas depois de a presidente da Câmara de Vereadores de Brasiléia, Arlete Amaral (SD), ter sido momentaneamente impedida de retornar ao lado brasileiro após ir a Cobija, nesta segunda-feira, 5, e perder o horário em que está sendo permitida a circulação entre os dois lados da fronteira, o prefeito da cidade boliviana, Luis Gatty, emitiu um despacho alterando o período de trânsito entre as cidades-gêmeas.

Por meio do Decreto Supremo 4.481, o governo boliviano fechou a fronteira com o Brasil por 7 dias, a partir da última sexta-feira, 2, como medida para evitar a entrada da chamada variante de Manaus ou P.1, do novo coronavírus, porém a medida não agradou a todos. As três cidades fronteiriças possuem fortes relações, especialmente comerciais, o que faz com que a circulação diária entre elas seja normalmente intensa.

Logo que o decreto foi emitido, a governadora de Pando, Paola Terrazas, manifestou sua insatisfação com a medida, bem como o seu receio de que o país vizinho respondesse da mesma forma e determinasse o fechamento das passagens de fronteira. “Caso o Brasil aplique a lei de reciprocidade, como fez na primeira onda da Covid-19, isso nos prejudicaria porque eles podem fechar as pontes por até 3 meses”, disse Terrazas a uma rádio local.

Com a alteração anunciada pelo governo municipal de Cobija, os novos horários de circulação são: pela manhã, entre as 7h e as 8h, e no período da tarde das 17h até as 19h, sempre no horário local (Bolívia), que tem uma hora a mais de diferença para o Brasil. O Decreto Supremo 4.481 tem prazo de encerramento previsto para a próxima quinta-feira, 8 de abril.

A medida do prefeito Luis Gatty se deu em atendimento a solicitações feitas pelos prefeitos, Sérgio Lopes, de Epitaciolândia, e Fernanda Hassem, de Brasiléia, além de vereadores, empresários e comerciantes. Ele destacou a relação de reciprocidade cultural, social, econômica, afetiva e familiar que existe entre as três cidades.

Variante do Amazonas

A variante P.1, identificada originalmente em Manaus, está se espalhando não só pelo Brasil, mas também pela América do Sul. Cerca de 40% dos casos de coronavírus detectados recentemente em Lima, no Peru, estão associados à variante, segundo informações do jornal The Washington Post.

No Uruguai, a cepa é responsável por 30% dos casos de Covid-19 e no Paraguai, metade dos casos identificados na fronteira com o Brasil são causados pela P.1, segundo informações do jornal americano.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), em reportagem desta segunda-feira da revista Veja, a P.1. já foi rastreada em 45 países mundo afora, incluindo Estados Unidos, Japão, Canadá, México, Espanha, Itália, França e Índia.

Na América do Sul, apenas Bolívia, Equador, Suriname e Guiana não haviam registrado casos da doença decorrentes da variante brasileira, de acordo com o último boletim epidemiológico da OMS. No entanto, devido à defasagem da realização de testes genômicos na região, isso não significa que a cepa ainda não esteja por lá.

Por Raimari Cardoso, do AC24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.