Rio Branco, Acre, 23 de abril de 2021

Em Cruzeiro do Sul, idoso acusado de estuprar criança tem pedido de prisão domiciliar negado

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Vara da Infância e da Juventude da Comarca de Cruzeiro do Sul negou o pedido para converter prisão preventiva em domiciliar feito por um idoso suspeito de cometer o crime de estrupo de vulnerável.

O juiz Marlon Machado, ao analisar e rejeitar as questões apontadas pela defesa, entendeu que o réu ainda pode ameaçar a vítima e sua família.

Ao pedir a prisão domiciliar, o advogado do idoso alegou que ele tem hipertensão arterial e gastrite nervosa.

“Da análise do caso, é possível perceber que a manutenção da prisão preventiva do investigado é medida necessária para manutenção da ordem pública e da instrução criminal, visto que o acusado à solta poderá voltar a ameaçar a adolescente e sua família, conforme fundamentado na decisão que decretou a referida prisão”, escreveu o magistrado.

Além disso, a defesa citou a Recomendação n.°62/2020 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para redução dos riscos epidemiológicos em relação à Covid-19.

O juiz de Direito explicou que a orientação do CNJ é para reavaliação das prisões preventivas de crimes praticados sem violência ou grave ameaça. Dessa forma, analisando a situação, o magistrado verificou que o homem é suspeito de ter cometido crime de violência e ameaça.

“Cabe lembrar que o crime imputado ao representado é de natureza hedionda e punido com pena privativa de liberdade, além de envolver violência contra adolescente, razão pela qual se encontra presente a permissão para que seja decretada a prisão preventiva, nos moldes do art. 313, inciso I, do Código de Processo Penal, alterado pela Lei 12.403/11”, finalizou o juiz.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.