Rio Branco, Acre, 22 de abril de 2021

Fiocruz volta a sugerir lockdown de 14 dias no Acre e em mais 22 estados e no DF

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação Juruá em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Com o Acre e mais 22 estados e o Distrito Federal em níveis críticos da pandemia, com índices acimas dos 85% dos leitos de UTI Covid ocupados, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) voltou a sugerir a adoção de um lockdown para conter o avanço da pandemia e evitar mais mortes pela covid-19. No Acre, 95% dos leitos de UTI estão ocupados. Em Rio Branco, que compreende o Into e o Pronto Socorro, a taxa chega a 100%, de acordo com a Fiocruz.

No boletim divulgado hoje, a instituição diz que “as medidas de bloqueio (lockdown) constituem um remédio amargo, mas que são absolutamente necessárias em momentos de crise e colapso do sistema de saúde como a que o país vive agora, evitando mais mortes”.

Além da adoção do lockdown como medida para conter a doença, os pesquisadores da Fiocruz dizem que é preciso juntar essa medida a outras tão importantes quanto à primeira. Eles sugerem a ampliação do número de leitos com qualidade e segurança, “bem como prevenção do desabastecimento de medicamentos e insumos. Estas medidas devem ser seguidas das de mitigação, com o objetivo reduzir a velocidade da propagação”.

Em outro trecho do documento, os cientistas afirmam que é preciso adotar a testagem em massa, ampliando o processo, além de acelerar a vacinação, com a compra e ampliação da produção de vacinas. “Além disso, como barreira para a disseminação da pandemia e preservação de vidas, faz-se imprescindível a garantia de condições para que a população possa se manter em casa protegida, limitando a circulação de pessoas nas cidades apenas para a execução de atividades verdadeiramente essenciais”. Ou seja, a instituição de programas de transferências de renda como o auxílio emergencial.

Ainda de acordo com o boletim, os pesquisadores sugerem toque de recolher a partir das 20 horas até às 6 da manhã e durante os finais de semana, adoção de medidas para reduzir a superlotação no transporte coletivo, fechamento de bares, ampliação da testagem, entre outras medidas.

“Estas medidas de bloqueio demandam pelo menos 14 dias de duração e em algumas situações podem demandar mais tempo, a depender da amplitude e do rigor da aplicação. Estudos internacionais mostram que pode haver uma redução da ordem de 40%, se forem combinadas e aplicadas rigorosamente. Neste contexto é fundamental que todos os que não realizam atividades diretamente relacionadas aos serviços essenciais fiquem em casa e que o Estado, por meio de medidas emergenciais de auxílio e assistência social, garanta isso”.

  • José Pinheiro, do Notícias da Hora – Foto: Willamis França.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.