Rio Branco, Acre, 19 de junho de 2021

Após Acre ser reconhecido internacionalmente como zona livre de aftosa, o preço da carne deve aumentar

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O estado do Acre vem comemorando nos últimos dias, junto ao setor produtivo ligado à pecuária, o reconhecimento internacional do estado como zona livre de aftosa. Contudo, esse reconhecimento que foi obtido junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) poderá aumentar o preço da carne bovina ao consumidor final, de acordo com o economista Rubicleis da Silva.

Robicleis tem pós-doutorado pela Fundação Getúlio Vargas, ele considera que o reconhecimento poderá abrir novos mercados para a comercialização da carne no Acre, e o selo de zona livre da aftosa poderá impedir que o preço da carne diminua: “A chance do preço da carne baixar no Acre por conta do reconhecimento da área livre de aftosa sem vacinação é zero”, destaca.

O economista acredita que o preço da carne pode ficar mais alto e explicou os motivos. “O que vai acontecer com o preço da carne em Rio Branco é que inexoravelmente ele vai aumentar. Dois motivos explicam isso: o primeiro motivo é que vamos ter novos mercados para vender nossa carne. Nesses mercados o poder aquisitivo é maior do que o do acreano, o que significa que estão dispostos a pagar mais pela carne; o segundo motivo é que existe uma demanda crescente por proteína animal na China e em outros países asiáticos. Essa demanda vai ser exercida, e como a nossa oferta é pequena diante da grande demanda internacional, isso fará com que o preço aumente”, declarou Rubicleis.

Segundo o economista, a desvalorização do real diante o dólar contribui para o aumento do produto. “A taxa de câmbio está extremamente desvalorizada com um dólar valendo cinco reais. Não há como a carne diminuir. É uma péssima notícia para o consumidor e uma boa notícia para quem produz proteína animal”, destacou.

Rubicleis pontuou, ainda, que com essa alta, é possível que haja o aumento nos preços de outras carnes animais, como o frango e a carne suína; além do aumento no preço de ovos. “Vamos ter aumento, sim. Em função do aumento na carne de boi, haverá uma demanda ainda maior pelo frango, ovos e porco. Como não vai ser possível atender a este aumento da demanda, no pequeno e médio prazo, naturalmente, o preço dessas outras proteínas vão subir” (sic), projetou.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.