Rio Branco, Acre, 17 de junho de 2021

Relatório da PF indica que investigado por atos antidemocráticos bancou campanha de Bolsonaro sem declarar à Justiça Eleitoral

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Redação
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O relatório parcial da Polícia Federal sobre os atos antidemocráticos encaminhado à PGR no início de janeiro mostra que os investigadores encontraram documentos sobre a campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro em 2018.

O documento, ao qual a TV Globo teve acesso, indica que o empresário bolsonarista Otávio Fakhoury bancou quase R$ 50 mil em material para campanha. Os gastos não constam na declaração à Justiça Eleitoral.

Os investigadores apreenderam com o empresário, segundo o relatório, notas fiscais de duas gráficas que imprimiram milhares de adesivos e panfletos.

A PF ainda diz no documento ter localizado uma mensagem do empresário oferecendo apoio a atos democráticos. Em 21 de fevereiro do ano passado, Fakhoury disse:

 

“Eu vou, vou ajudar a pagar o máximo de caminhões que puder. Convocarei todos que eu conhecer! Não vou deixar esses canalhas derrubarem esse governo”.

Otávio Fakhoury afirmou que as notas fiscais se referem a pagamento de despesas de amigos que fazem parte de movimentos sociais.

Ele disse ainda que não comunicou ao candidato, à coordenação da campanha ou a pessoas próximas a Bolsonaro sobre esses pagamentos porque não se tratava de doações de campanha.

Por fim, afirmou que declarou aos órgãos competentes todas as contribuições a campanhas eleitorais.

Inquérito dos atos antidemocráticos

Na última sexta-feira (4), o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirou o sigilo do inquérito dos atos antidemocráticos, que corria até então em segredo de Justiça.

O inquérito investiga a organização e o financiamento de manifestações que, no ano passado, foram às ruas para defender causas antidemocráticas e inconstitucionais, como o fechamento do Congresso e do STF, e a adoção de um novo AI-5, o ato mais repressor da ditadura militar.

Blogueiros e parlamentares bolsonaristas são investigados no inquérito. A investigação foi aberta em 2020, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Moraes é o relator.

No domingo, Fantástico publicou reportagem a partir de parte do inquérito, que mostra que aliados do presidente Jair Bolsonaro atacaram o Supremo Tribunal Federal após um julgamento sobre a pandemia.

A reportagem teve acesso à análise feita pela Polícia Federal de mensagens no celular do empresário bolsonarista Otávio Fakhoury que mostra uma conversa em 22 de maio de 2020 com a deputada Bia Kicis, do PSL. Chegaram a falar em “guerra institucional”.

G1

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Getúlio Vargas n. 22 – Salas 7 e 8 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.