22.6 C
Juruá
terça-feira, junho 28, 2022

A má notícia para a soja brasileira na disputa do maior mercado do mundo

Por Veja Abril.

Um forte adversário para a soja brasileira está firmando espaço no mercado chinês. A produção do Golfo dos Estados Unidos passou a competir com a produção brasileira, chegando, em determinado período, apresentar um preço mais baixo, e, portanto, mais atrativo à China – maior importador de soja do mundo. Em última análise, se a tendência continuar, os preços da soja no Brasil terão de ficar mais competitivos, isto é, com preços mais baixos.

Segundo análise da consultoria S&P Global, a soja brasileira ainda é a opção mais competitiva, pela ampla oferta, aos embarques à China no início de julho. Porém, a preocupação para os produtores brasileiros será com os embarques a partir de meados do próximo mês e em agosto, pois a safra de soja dos EUA está saindo mais barata, conforme as negociações prévias. Um carregamento do Golfo dos EUA em relação a julho-agosto foi negociado no equivalente a 333 cents por bushel (cerca de 27kg), enquanto no Brasil a oferta no período está sendo negociada a 335 cents/bu, nos valores aproximados.

Os dados contrastam com a tendência recente. Segundo a Administração Geral das Alfândegas, China recebeu 6,3 milhões de toneladas da oleaginosa do Brasil, só no mês de abril, um aumento de 120% em relação a março de 2022. Todavia, na sexta-feira, 10, o Departamento de Agricultura dos EUA reduziu sua perspectiva de estoques para a safra 2022/23 – de 310 milhões para 280 milhões – considerando a forte demanda para exportação norte-americana.

error: Alert: O conteúdo está protegido !!