Rio Branco, Acre, 26 de janeiro de 2021

Edvaldo diz que decreto do governo é um contrabando jurídico e apresenta ‘remédio legislativo’ para sustar efeitos

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) apresentou nesta terça-feira (18) um decreto legislativo para sustar os efeitos do parágrafo único contido no Decreto 6.398 de julho de 2020, publicado pelo governo do Estado, que cria o cartão Avancard, que concede adiantamento de salário do servidor público em até 15%. Entretanto, a Assembleia já aprovou uma alteração no estatuto do Servidor que limita em 35% o percentual para empréstimos consignados.

Em outras palavras, o decreto exorbitou a competência da lei aprovada no plenário da Aleac, portanto, é considerado inconstitucional. Nesse sentido, Edvaldo Magalhães disse que o decreto do governo do Estado traz um “contrabando jurídico”.

“Traduzindo de forma bem didática e popular, o decreto, que o governador publicou para regulamentar a alteração que a nossa Assembleia fez, traz um contrabando jurídico. Traz a possibilidade de uma grande negociata com o salário dos servidores públicos. Comete um crime porque o parágrafo é completamente ilegal”, disse o parlamentar.

Edvaldo Magalhães frisou que Assembleia e a Comissão de Serviço Público debateram intensamente sobre a discussão da alteração do estatuto do servidor, na questão dos consignados. “Era preciso estabelecer no estatuto o teto e pactuamos que o teto seria de 35%. Portanto, sobre o conjunto da remuneração de qualquer servidor, só se pode descontar 35%. O decreto não pode burlar a lei, o decreto não pode legislar no lugar do plenário da Assembleia Legislativa”.

Ao falar sobre o subsídio da borracha, Edvaldo Magalhães agradeceu o esforço da Procuradoria Geral do Estado (PGE), que concedeu parecer favorável ao pagamento de títulos atrasados referentes a 2019 e os primeiros meses de 2020. Após audiência da Comissão de Serviço Púbico, Trabalho e Municipalismo, que contou com a presença do secretário de Estado de Produção e Agronegócio, Edivan Maciel; representantes da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplan), da procuradora do Estado, Janete Melo; e de Manoel Monteiro, da Cooperacre, chegou-se a um entendimento.

  • Assessoria.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.