36.1 C
Juruá
segunda-feira, julho 22, 2024

Acre passa de 100 focos de queimadas em 2024, índice 200% maior que o ano passado

Por Raimari Cardoso, do Ac24horas

- Publicidade -

Em 2023, de 1º de janeiro até 22 de junho, o Acre havia registrado 36 focos de queimadas, segundo o banco de dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, o Inpe. No ano em curso, no mesmo período, já ocorreram 108 focos de queimadas no estado, 200% acima da quantidade detectada no ano passado pelo satélite de referência.

Apesar disso, entre todas as unidades da federação, o estado é o 22º colocado nesses números. Considerando a região Norte, o Acre fica na 6ª colocação, à frente apenas do Amapá, que tem 7 focos de queimadas registrados até o momento. Roraima é o estado com a maior quantidade de queimadas em 2024 no Norte, com 4.627, e o segundo do país, atrás do Mato Grosso, que tem 8.118 focos.

Como vem ocorrendo frequentemente, Feijó é o município acreano que mais produz focos de queimadas, de acordo com os dados do Inpe. Até o momento são 15, com Cruzeiro do Sul vindo logo em seguida, com 14. Sena Madureira, com 10, Tarauacá com 9 e Xapuri com 8 focos, completam a lista dos cinco com mais registros até o momento.

Quando se trata do país, o Brasil registra recorde de queimadas em 2024, com 32.920 focos, atrás apenas da Venezuela, que tem 38.106 focos até o momento. O primeiro quadrimestre do ano já havia sido o pior da série histórica em relação ao número de queimadas e incêndios florestais. Foram registrados 17.182 focos de incêndio em todo o país de janeiro a abril.

Para o Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA), a alta significativa das queimadas em 2024 está diretamente associada aos efeitos do fenômeno El Niño no clima nacional, o que resultou em condições secas e temperaturas mais elevadas em boa parte do Brasil.

Emergência no Acre

No último dia 11 de junho, o governo do Acre decretou situação de emergência ambiental em todos os 22 municípios do estado. A medida está prevista no Decreto Estadual nº 11.492, publicado no Diário Oficial do Estado, e vigora até 31 de dezembro.

No ano passado, o documento colocou como prioritárias as dez cidades com maior incidência de ilícitos ambientais. Os motivos apontados em relatórios técnicos da Sema para a ampliação são a previsão do baixo volume de chuvas e nível dos rios, o risco de incêndios florestais e possíveis prejuízos sociais e econômicos.

A coordenação e a articulação interinstitucional dos órgãos e entidades estaduais para a definição de estratégias de prevenção e de combate ao desmatamento e incêndios ficaram a cargo da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

- Publicidade -
Copiar