Com alta procura, envio de doses de vacina contra meningite aumenta em 20% para cidades do Acre

A quantidade de doses da vacina contra a meningite enviada para algumas cidades do Acre aumentou 20%. O aumento é devido à grande procura pela vacina nas unidades de saúde após a confirmação de oito casos da doença no estado.

A informação foi confirmada pela da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), nesta segunda-feira (8).

O Programa Nacional de Imunização (PNI) disponibiliza quatro vacinas contra as meningites bacterianas, que são as mais comuns e também mais preocupantes. Entres elas estão:

  • Meningite meningocócica C: protege contra as meningites causadas pelas Neisseria meningitidis sorogrupo C
  • Pneumocócica 10 (VPC10): previne contra a meningite causada pela bactéria pneumococo
  • Pentavalente: imuniza contra as meningites por Haemophilus influenzae
  • BCG: previne a criança das meningites causadas por tuberculose.

Solicitações

Segundo o PNI, o número de doses é solicitado pelo município, após levantamento da quantidade de bebês e crianças que há nas cidades. Esse levantamento é feito pela Sesacre. Para Cruzeiro do Sul, por exemplo, uma das cidades que ficou sem a vacina em algumas unidades, a Sesacre enviou um total de 560 doses.

“A gente, como distribuição, sempre manda esse percentual homogêneo de todo o estado. Mas, sabemos que em alguns municípios a procura é menor, outros é maior, como é o caso da capital. Mas, procuramos sempre atender de forma homogênea as cidades”, falou a gerente de Imunização do Acre, Renata Aparecida.

Ainda segundo Renata, as doses são enviadas mensalmente para os municípios, já que a vacina faz parte do programa de vacinação das crianças.

“A população acaba procurando mais, o que era para acontecer de forma natural ao longo do ano. Buscar a vacina de forma ordenada, sobrecarrega e acaba esgotando nosso estoque mais rapidamente. Então, já sabendo que, mesmo que a gente oriente que não tem a necessidade disso, a procura aumenta e enviamos mais doses”, explicou.

A gerente frisou ainda que o estado não passa por um surto da doença e que o número de casos confirmados é menor do que os registrados ano passado. Ela reforçou que as pessoas busquem manter a rotina de vacinação ao longo do ano.

“A vacina vai estar disponível o ano todo para o público que o Ministério da Saúde estabelece. Não existe a necessidade de desespero, de longas filas, pois existem outras formas de prevenção contra a meningite e a vacina meningocócica vai proteger só contra um tipo da meningite, existem outras vacinas que podem ser parceiras na prevenção e são deixadas de lado”, concluiu.