Rio Branco, Acre, 23 de novembro de 2020

É possível ficar viciado em comida?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O neuro-psiquiatra Stephen Stahl, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, há muito que estuda o comportamento de pessoas viciadas nas mais diversas coisas e como isso ‘’mexe’ com os seus cérebros.

A revista brasileira Saúde falou com o especialista que explica que: “começamos a fazer várias coisas porque elas são recompensadoras. Mas, com o tempo, passam de recompensadoras a uma prática excessiva e, por fim, transformam-se num hábito”. E quando isto acontece, acabamos por nos viciar e o cérebro nunca mais é mesmo.

Muitos obesos têm uma compulsão alimentar, ou são viciados em comida. São pessoas que não comem porque estão com fome, fazem-no porque se tornou num hábito mau com repercussões no cérebro.

Mas porque é que o fazem? “Os indivíduos, quando se viciam em comida, não cheiram, não sentem o sabor, não aproveitam e não param. Estão condicionados. Veem um frigorífico e pensam em comer, veem um pacote de bolachas e querem acabar com ele. E quando comem, não aproveitam”, explicou o especialista à revista Saúde.

Quando a pessoa se começa a viciar em algo o cérebro deixa de produzir dopamina, um neurotransmissor do prazer, da mesma forma. Começa a produzir picos de dopamina quando vê uma garrafa de vinho, no caso do alcoolismo, ou quando vê comida no caso da compulsão alimentar. É uma resposta condicionada, só com base na expectativa. E o pior é que, ao beber ou comer, por exemplo, a dopamina nem sobe assim tanto. Ou seja, não há prazer no ato em si quando o sujeito tem uma adição.

Além disso, o cérebro muda a forma como funciona. No vício, a região mais ativada não é uma ligada ao controlo, mas outra vinculada a reações automáticas. É como se entrasse em ‘piloto automático’. Nem percebe que está a roer as unhas, a bater o pé… ou a comer. São hábitos.

E como é que se tratam os vícios? É preciso quebrar o hábito. Infelizmente, explica o especialista, “estamos a começar a entender que as mudanças provocadas no cérebro por um vício podem ser irreversíveis. No entanto, uma nova descoberta talvez bloqueie uma antiga. Ou seja, em vez de tentar fazer o cérebro voltar ao normal, podemos criar um circuito paralelo — e é aí que entra a psicoterapia”.

Com a psicoterapia o paciente aprende a suprimir o circuito do vício sem se livrar dele. Essa pode ser a chave do tratamento. Mas, como sublinha o investigador, ainda se está a estudar o tema.

 

Por Lifestyle.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.