Rio Branco, Acre, 23 de novembro de 2020

Assessores de Major Rocha são presos por suspeita de envolvimento em facção

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

A Operação Êxodo, desencadeada pela Polícia Civil do Acre, prendeu nesta quinta-feira (15), dois assessores parlamentares do deputado federal Wherles Rocha (PSDB-AC) por suspeita de participação em uma organização criminosa que atua no estado. São eles: Erika Cristina de Oliveira e Mariceldo Silva do Nascimento. A operação investiga pessoas que agiam na prática de homicídio, roubo, tráfico, associação para o tráfico, associação criminosa, além de ataques contra patrimônios no Acre. Ao todo, 63 pessoas foram presas, sendo sete em Cruzeiro do Sul, no interior do estado, e 56 na capital acreana. Segundo a Polícia Civil, Erika e Nascimento são casados e eram responsáveis por organizar reuniões e comandar ataques e outros crimes. Rocha é o autor da denúncia formal contra Lula na Operação Lava Jato.

De acordo com o delegado responsável pela operação, Alcino Loureiro, os envolvidos no esquema “faziam até bingos para fortalecer a compra de armas e financiar, inclusive, outros presos e seus familiares”. Entre os presos estão empresários e assessores parlamentares que teriam participação diretamente com a organização, segundo a polícia.

“Foi presa uma assessora parlamentar com vínculo formal e um assessor com vínculo informal do deputado federal Rocha. A participação deles está bem delineada na investigação. São integrantes de uma organização criminosa, e fazem parte do alto escalão dessa organização. Inclusive, a própria Erika convocava reuniões e participava ativamente da organização”, afirmou o delegado.

Em nota, o deputado confirmou que a mulher era assessora dele e que desconhecia que Nascimento tinha envolvimento com o crime. “Ao tomar conhecimento da denúncia, foi solicitado o imediato afastamento da assessora, até que se esclareçam os fatos. Quanto ao marido da mesma, o parlamentar desconhecia qualquer tipo de envolvimento do mesmo com atos ilícitos ou criminosos e o tinha como um trabalhador, pois este era beneficiário de um box em mercado público municipal”, diz o texto. “E por fim, o deputado federal major Rocha, policial militar reformado, repele veementemente qualquer intenção de relacioná-lo com ações criminosas”, diz a nota.

Fonte: Brasil 247

 

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.