“A educação e a saúde precisam voltar a ter voz”, diz pré-candidato Marcelo Siqueira

Com olhar voltado pra o desenvolvimento econômico, baseado no tripé saúde, educação e agricultura, Marcelo Siqueira de Oliveira, de 39 anos de idade, é o pré-candidato à Prefeitura de Cruzeiro Sul pelo Partido dos Trabalhadores (PT), onde é filiado desde 2005. Doutor e Mestre em ciências pela Universidade Federal de São Paulo; especialista em Gestão em Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz; graduado em enfermagem pela Universidade de Marília, Marcelo tem um longo currículo educacional voltado em especial para área da saúde.

Envolvido em movimentos estudantis desde os 13 anos de idade, Marcelo foi representante da União da Juventude do Acre (Ujac), tendo isso como despertar para o campo político, mais tarde na Universidade participou do Movimento Estudantil Universitário, onde levantou causas sociais como combate ao feminicídio, racismo, dentre outros.

Mas no campo político, foi somente em 2012 que Marcelo concorreu pela primeira vez ao cargo de Prefeito de Cruzeiro do Sul, em uma aliança com o ex-Deputado Federal Henrique Afonso. Mesmo sem vitória nas urnas, ele considera o momento ímpar e essencial para sua trajetória de vida. Segundo Siqueira, a eleição de 2012 proporcionou um ampliar de conhecimentos, elevando suas visão nas diversas áreas, conhecendo a fundo a cidade de Cruzeiro do Sul.

“Foi minha primeira disputa, um tanto quanto verde, aprendendo sobre essa coisa ardilosa e desnecessária, na política mais briguenta em Cruzeiro do Sul. Mas foi um acerto, foi uma experiência onde conheci toda região, consegui conhecer todos os seringais e comunidades rurais, tive uma dimensão do o que é Cruzeiro do Sul. No lugar de me decepcionar com o resultado da eleição me encantei. Porque isso inclusive serviu para consolidar minha carreira acadêmica, a eleição me deu uma visão social da pobreza, das dificuldades, das doenças, de tudo, e isso teve reflexo no meu mestrado e no meu doutorado na Universidade Federal de São Paulo”, destacou.

Em 2014 Marcelo concorreu às eleições como candidato a Deputado Estadual, eleição esta que ele considera um erro, diante da apresentação tardia do nome ao eleitorado, mesmo assim obteve resultados como o 2º candidato mais bem votado de Marechal Thaumaturgo, e de Cruzeiro do Sul fui 3º, ultrapassando a marca dos dois mil votos, chegando a 3ª suplência.

Após as eleições de 2014 até 2020, Marcelo se distanciou mais da vida política para se dedicar a vida acadêmica. Com o projeto social ‘Humano de Verdade’, Siqueira junto com outros profissionais da saúde levam atendimento psicossocial, de assistência acadêmica, de desenvolvimento emocional, cultural para jovens de periferia. Em 2019 foram atendidos mais de 1000, além de levar orientações para as famílias. Ações que Marcelo considera que o trouxeram de volta para política.

“Em razão dessa volta em peregrinação aos bairros, estando mais próximo das pessoas, de alguma forma isso foi me trazendo de volta para política, e isso foi me dando mais segurança de si, de que eu não precisava ser raivoso, que bastava ser propositivo, que não preciso ser inimigo de ninguém para apresentar uma proposta de uma candidatura, de que é possível construir uma candidatura que respeite os adversários e seus pontos de vista”, pontuou Siqueira.

Fazendo parte da saúde, mas com o lado da educação, como professor, bastante aflorado, Marcelo conta que foi nesta área que nasceu sua pré-candidatura a prefeitura neste ano.

“Começaram a dizer: Você é enfermeiro, mas é professor, você carrega duas categorias, que são muito fortes. Professores da rede estadual, da rede municipal, da universidade, e alguns colegas da área da saúde começaram a dizer: “A educação e a saúde precisam ter voz”, e isso me animou, eu não posso esconder, em saber que posso dar voz”, disse.

Ao falar em ‘dar voz”, Marcelo enfatiza que se refere a colocar pessoas capacitadas, colocar como protagonistas sociais profissionais que tenham conhecimento e vivência em cada uma das áreas. Com esse lema de “dar voz” o pré-candidato apresenta sua pretensão em abrir portas e oportunidades, sem utilização de viés partidário, priorizando a competência das pessoas e desassociando o perfil de candidato autossuficiente.

“Decidimos então apresentar essa plataforma de ‘Dar Voz’, com os melhores protagonistas sociais, que é o que estamos fazendo no momento. Não sou um candidato autossuficiente, pelo contrário, quero abrir as portas para as pessoas que têm competência para gerir políticas públicas em Cruzeiro do Sul, e essa é nossa grande diferença”, destacou.

Durante a entrevista concedida ao Jornal Juruá em Tempo, Marcelo relata que sua prioridade é passar uma boa mensagem para população, onde possam ser disseminadas mensagens e ações positivas, com propostas que mudem positivamente a vida da sociedade.

“Como pode perceber estou preocupado em realizar uma disputa política, eu não deito a noite preocupado se vou perder a eleição, como alguns nesse momento. Deito preocupado se a mensagem que passei no dia foi boa, positiva e propositiva e quais propostas preciso apresentar para sociedade no dia de amanhã. Estamos fora dessa política de guerra”, esclareceu.

Planos e perspectivas

Suas principais propostas são voltadas para o segmento econômico, na perspectiva de alavancar esse setor em Cruzeiro do Sul com ações baseadas em investimentos no tripé agricultura, saúde e educação.

“Nesses dois segmentos, mas todos convergem em um único lugar, na economia local. Nunca tivemos um plano de gestão econômica municipal. Sempre esperamos que a economia fosse resolvida por políticas vindas de Brasília ou Rio Branco, e chegou a hora da cidade ter um órgão administrativo que cuide dos interesses econômicos, através de geração de emprego. É impossível pensar em geração de emprego sem pensar em campo, produção rural, saúde e educação”, enfatizou.

Sobre o PT

Durante a entrevista concedida ao site Juruá Em Tempo, Marcelo ressalva que os partidos são fundamentais e necessários para os políticos, mas o caráter de cada homem independe de sua ligação partidária. Segundo ele, muitas pessoas usam do pretexto relacionado a partidos e deixam de fazer as melhores escolhas. Ele relata ainda que a boa relação com os demais candidatos é fundamenta neste viés de proposta inovadora, tendo uma ótima relação com os demais adversários.

“É inevitável não falar do meu partido. As pessoas têm que conceber a lição dada na última eleição. Nós nos dividimos, brigamos em rede social, nos grupos de família, e o que ganhamos? Nada! Entendo que partidos são necessários, mas são como a roupa de um homem de bem, que lavou, colocou no varal e foi roubada, e se o ladrão vestir essa roupa não o torna um homem de bem. A pessoa que é honesta será assim em qualquer partido, no PT, no MDB, no PSDB, em qualquer partido”, disse.

Veja abaixo o histórico curricular de Marcelo Siqueira

Doutor em ciências pela Universidade Federal de São Paulo; mestre em ciências pela Universidade Federal de São Paulo; especialista em Gestão em Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz; graduado em enfermagem pela Universidade de Marília.

Profissionalmente já atuou como enfermeiro do quadro permanente na atenção básica à saúde urbana e rural no município de Cruzeiro do Sul; foi professor concursado do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial; também trabalhou como concursado na assistência à saúde hospitalar e ocupou os cargos de coordenador de assistência à saúde e gerente do Hospital Geral de Cruzeiro no governo do Estado do Acre.

Atualmente está professor adjunto do quadro efetivo da Universidade Federal do Acre, onde também é pesquisador na área de saúde pública e doenças infecciosas na Amazônia Ocidental e palestrante na área de saúde e sociedade. Tem formação complementar em gestão pública para cidades pelo Instituto Renova Brasil.