Rio Branco, Acre, 29 de setembro de 2020

Deputados se negam a assinar ata de sessão que rejeitou Maria de Jesus no TCE para atrasar judicialização

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest

Alguns deputados estaduais que participaram da sessão da Assembleia Legislativa, na semana passada, que rejeitou o nome da conselheira-substituta Maria de Jesus Carvalho de Souza para a vaga de Conselheira do Tribunal de Contas estariam se negando a assinar a ata de sessão para ser publicada no diário oficial legislativo. O documento é peça fundamental do mandado de segurança que deverá ser protocolado pela Associação Nacional dos Ministros e Conselheiros Substitutos dos Tribunais de Contas (AUDICON) junto ao Tribunal de Justiça do Acre. Com a postergação do ato, o caso ainda não foi judicializado.

O ac24horas apurou que para ata a ser publicada precisaria de pelo menos a assinatura do deputado que presidiu a sessão no dia, no caso a deputada Maria Antônia (PROS), que já garantiu rubrica na ata, mas também de um dos secretários da mesa diretora da Aleac. Ocorre que a demanda foi sendo empurrada no decorrer da semana de um parlamentar para outro. Um dos secretários que participaram da sessão e poderiam foi a deputada Antônia Sales (MDB), mas esta teria se negado. Como ela não quis, a demanda foi passada para o deputado Whendy Lima (PSL), que também se negou. Agora, a situação está nas mãos do deputado Chico Viga (Podemos), que é o 5º secretário.

Conforme a reportagem apurou, ocorre que Viga não gostou que a situação chegasse nele dessa forma e questionou seus colegas o porquê os demais não assinaram a ata. A situação ficou embaraçosa entre os deputados e o presidente da Casa, deputado Nicolau Junior (Progressistas), que não participou da sessão, foi acionado para “apagar o fogo”. Tudo indica que o documento será assinado nesta quinta-feira, 3, e a ata será disponibilizada no mais tardar até sexta-feira, dia 4.

Nos bastidores, a informação que circula é que o mesmo movimento liderada pelo governo para rejeitar o nome de Maria estaria arrependido do ato e estariam estudando uma maneira para tentar uma alternativa para que o caso não fosse judicializado, o que para juristas consultados por ac24horas, é incabível no atual momento.

A ação judicial deverá questionar o ato da Assembleia Legislativa do Acre, que por meio de votação no plenário da casa na semana passada, rejeitou o nome de Maria de Jesus tendo como argumento o fato dela já ter 65 anos, sendo que a constituição federal e estadual assegura para que ela tome posse do cargo, tenha menos de 65. Esse seria o único requisito que Maria não preenche e por isso os parlamentares resolveram pela rejeição do nome.

Ainda não se sabe quais pedidos serão feitos no pedido de liminar, mas juristas defendem que o mandado deverá ser norteado com o intuito de suspender o ato legislativo para dar validade ao argumento que a cadeira do TCE é intransferível ou então suspender a escolha de um possível novo conselheiro que não seja Maria até análise do mérito. A decisão estará nas mãos de um dos 12 desembargadores do Tribunal de Justiça, que pode conceder a liminar ou até mesmo indeferir inicialmente com intuito de que o caso seja resolvido no pleno, onde todos os magistrados terão vez, voto e voz sobre o imbróglio.

Fonte:Ac24horas.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.