Rio Branco, Acre, 29 de outubro de 2020

Policiais penais participam de estágio de cinotecnia do Instituto de Administração Penitenciária

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Para fortalecer o trabalho desenvolvido pelo Centro de Treinamento de Cães Penitenciários (CTCães), o Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) proporciona a 32 servidores o primeiro estágio de cinotecnia da instituição. As instruções são ministradas nas instalações do CTCães, no Complexo Penitenciário de Rio Branco, no Batalhão de Operações Especiais (Bope) e no Centro Integrado de Ensino e Pesquisa em Segurança Pública (Cieps).

Ao longo de dez dias de curso, o objetivo é oferecer capacitação do efetivo policial penal no que se refere ao adestramento básico e atividades com cães.

O coordenador do estágio, Laurênio Melo, explica, por exemplo, a técnica do “corredor de segurança”, em que o cão fica solto entre o pavilhão e a muralha, com uma tela de separação. Os animais ficam em sentinela 24 horas por dia, em apoio aos policiais de serviço na guarita. “O cão fica ali no corredor e passa a noite em vigilância. Se algum preso se aproximar, ele começa a latir para avisar”, ressalta.

Laurênio relata o resultado positivo do procedimento: “O índice de fuga caiu para zero depois que fizemos o corredor de segurança nos pavilhões P e O, onde havia mais incidências desse tipo”.

Ao longo do estágio, os alunos aprendem conhecimentos gerais sobre cães, desde a limpeza e cuidados com filhotes, até a formação de cães de guarda e proteção, também de cães de faro de armas, drogas e celulares. Além disso, os policiais passam por instruções de armamento e tiro, intervenção tática, entrada tática e entrada com os cães nos presídios.

Participante do estágio, a policial penal Ana Cristina Andrade explica que a aprendizagem de novos procedimentos e rotinas contribui com o exercício profissional. “Com essa capacitação, vamos também aprender a trabalhar diante de ocorrências em que precisaremos ter a presença dos cães”, afirma.

Para o aluno Paulo Freire, conhecer a realidade desse trabalho é importante para a rotina dos presídios. Ele explica que pode perceber a versatilidade do trabalho com cães, que não são empregados apenas em casos de fuga, mas também em situações em que empregam o  faro para achar armamento, celulares e chips.

“Você vê a utilidade que o cão tem dentro da cadeia. O que para nós é quase impossível achar, como um chip, dependendo de onde ele está, o cão consegue encontrar”, destaca o policial.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.