Rio Branco, Acre, 28 de novembro de 2020

Mourão contraria Bolsonaro e diz que comprará vacina da China: ‘Lógico’

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Por Redação Juruá Em Tempo.
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que o governo federal vai comprar a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, se comprovada sua eficácia. Segundo Mourão, as declarações do presidente Jair Bolsonaro, que disse que não iria comprar o imunizante, é “briga política com o Doria”.

“Essa questão da vacina é briga política com o Doria. O governo vai comprar a vacina, lógico que vai. Já colocamos os recursos no Butantan para produzir essa vacina. O governo não vai fugir disso aí”, disse, em entrevista à revista “Veja”, publicada nesta sexta-feira.
Na quarta-feira passada, menos de 24 horas após o Ministério da Saúde anunciar que tinha a intenção de adquirir 46 milhões de doses da Coronavac, o presidente Jair Bolsonaro desautorizou o ministro Eduardo Pazuello e afirmou que o imunizante contra o novo coronavírus “não será comprado” pelo governo brasileiro. Bolsonaro chegou a dizer que existe um “descrédito muito grande” em relação ao imunizante chinês.

Mourão também afirmou que não tem receio em tomar a CoronaVac, caso seja certificada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ele disse ainda que a China é uma “potência global, que pratica um capitalismo de Estado”. E que empresas chinesas que demonstrem compromisso com “soberania, privacidade e economia” têm condições de participar do leilão do 5G no Brasil.

“Agora, é partido único? É partido único. É um regime autoritário ditatorial? É um regime autoritário ditatorial. Mas é o regime deles. A gente tem de entender que a China nunca viveu sob um regime democrático, numa república como nós a entendemos”, disse.

O vice-presidente deu nota oito para o Brasil no combate à pandemia da Covid-19. Na sua justificativa, disse que o país era desigual, que não houve segunda onda e que o sistema de saúde suportou a crise.

Militares, Bolsonaro e 2022

Questionado sobre o artigo do ex-porta-voz da Presidência Otávio do Rêgo Barros com criticas ao governo e ao presidente Bolsonaro, Mourão elogiou o militar, mas afirmou que as “Forças Armadas são Forças Armadas e política é política”. “Rêgo Barros é um cara de quem eu gosto muito. Entendo a mágoa dele, mas não é da minha cultura esse tipo de desabafo”, disse.

O vice-presidente afirmou acreditar que pessoas de confiança do presidente conspiram contra ele, apesar de não saber quem são. E que isso não o preocupa.

Questionado sobre a possibilidade de o presidente buscar a reeleição com outro vice em sua chapa, ele respondeu que, atualmente, não tem pretensão de concorrer a outro cargo público, mas que talvez pudesse disputar o Senado.

“Eu vou me candidatar a governador? Complicado, já estarei com quase 70 anos. Acho que, para governar determinados estados aqui no Brasil o cara tem de ter uns quinze anos a menos. Também não me vejo deputado. Senado, talvez, aí sim. O Senado tem um outro diapasão, uma outra forma de agir, de atuar. Pode ser uma possibilidade”, disse.

Mourão, que é presidente do Conselho da Amazônia Legal, disse também que “está sendo vendida para o restante do mundo e para (uma)  parcela da sociedade brasileira a ideia de que o governo brasileiro está de braços cruzados”, em relação à preservação ambiental, mas que isso não seria verdade.

Ele afirmou ainda que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, “tem cooperado” e que os dois têm pontos de vistas que às vezes convergem e em outras divergem. “Até o momento, (ele) atende às minhas expectativas”, disse.

Leia também

Receba nossas novidades

Av. Rodrigues Alves 60 – Centro – Cruzeiro do Sul AC.