Artigo: Aquém e Além da Lulolatria – Para uma Retomada Consciente da Luta de Classes no Brasil

À luz do pensamento marxista, o professor universitário Israel Souza pondera sobre a dimensão política da condenação de Lula e os limites e fragilidades da ‘lulolatria’.

Por Israel Souza*

Como fora previsto por muitos, a condenação de Lula foi mantida em segunda instância. Não apenas isso. Arredondando a conta, sua pena foi aumentada de 9 para 12 anos. A justiça determinou, ainda, a apreensão de seu passaporte, impedindo-o de viajar ao exterior. Esse é um fato carregado de constrangimento moral para o ex-presidente, além de limitar o eco de sua voz fora do país.

Pelo ângulo das lutas de classes, esse quadro sinaliza que a classe dominante – ora centrando fogo em Lula, mas mirando muito mais – não há de parar por aí. Mantidas as coisas como estão, tudo indica que a condenação será mantida em última instância e que, como candidato, Lula estará fora da próxima eleição, pelo menos.

Por outro lado, é mais que razoável afirmar que dificilmente Lula conseguirá transferir, in totus, seus votos e força política a outro candidato de sua escolha. As eleições e os governos de Dilma são exemplares a esse respeito. Alimentada ao longo de décadas com um misto de desespero e empáfia, a lulolatria, agora sem Lula no páreo, de força, virou fraqueza. Neste panteão de um só deus, não há outro a quem dirigir preces e em quem depositar esperanças. Por isso, acredito eu, ao mostrar a possibilidade de outras tantas, a obstrução dessa via pode ser salutar.

Mais até do que no momento do impedimento de Dilma, agora Lula e o PT sentem os impactos negativos de terem cooptado lideranças, domesticado movimentos sociais e sindicais e de terem deseducado as massas para a luta política. Com efeito, mesmo neste momento em que retomam certo radicalismo para garantir sua sobrevivência é possível constatar a manipulação das massas e a concepção estreita de política com que lidam.

É o que se verifica em seus slogans (não palavras de ordem), como, por exemplo, “Eleições sem Lula é fraude”, “Em defesa da democracia e de Lula”, “Com Lula e com o povo até a vitória em outubro”, “Lula vale a luta” e etc.

Vê-se que tudo se passa como se a democracia – e mesmo a política – fossem eleições e que estas só teriam sentido caso se pudesse votar em Lula – o Sol que põe tudo o mais a orbitar em torno de si – deus, princípio e fim.

Ciente do petismo e do antipetismo que grassam nesses dias, importa frisar que não se trata aqui de engrossar o coro dos contentes com a condenação do ex-presidente, o coro da direita tradicional e dos fascistas de plantão.

Sem ignorar o mérito jurídico da questão mas também sem me circunscrever a ele como a um círculo mágico, é mais que patente a dimensão política de seu processo e condenação – como patente ficara, antes, a dimensão política do impedimento de Dilma. Num caso e noutro, à luz das lutas de classes, direito e política se con-fundem, tornando impossível uma distinção clara e inequívoca entre ambos. No âmbito desta con-fusão, coube à força o peso decisório.

O que está em jogo é mais que o Lula. É a esquerda. É a Constituição que, de maneira um tanto simbólica, destaca a solidariedade como elemento indispensável da cidadania. É o ideal da justiça social. É a existência e a legitimidade de políticas sociais, substantivas, universais. É tudo isso e muito mais. Inegavelmente.

Nesse sentido, é imperativo denunciar e combater as injustiças que Lula sofreu e que venha a sofrer. E, exatamente por estar em jogo mais que só o ex-presidente, isso terá que ser com respeito e solidariedade. Jamais com veneração. Idolatria, não!

Assim, é igualmente importante que seja explicitado e criticado contundentemente o papel que Lula e seu grupo desempenharam no processo que nos trouxe até aqui. Suas opções, alianças e concessões, sobretudo. Eles não são vítimas inocentes.

Em verdade, será impossível valorizar seus acertos sem a capacidade de distingui-los dos erros. Afinal, como ignorar que a busca da governabilidade e a crença na conciliação de classes contribuíram enormemente para tudo isso? Como esquecer que Dilma, já sentindo o cerco se fechar contra ela, optou por continuar propondo contrarreformas e fazendo concessões perigosas aos golpistas, em vez de se aproximar das forças populares?

Em tal tarefa, é fundamental romper com o maniqueísmo que lulistas e consortes ajudaram a consolidar. Falo daquele diapasão que usam para tudo afinar segundo as diretivas petistas. Aqueles que desafinam e manifestam críticas, por justas que sejam, são classificados como direitistas, fascistas**.

De outro lado, a direita tradicional também criou seu maniqueísmo. Passou a tratar pejorativamente como petistas todos aqueles que, pertencendo ou não ao PT, lutam por justiça social e, num horizonte histórico mais amplo, pela emancipação humana.

Lamentavelmente, um e outro grupo lançam mão desses mecanismos ideológicos a fim de se blindar das críticas e deslegitimar, com suas respectivas críticas e bandeiras, os que a eles não se vergam.

Como é possível verificar, os desafios que se impõem à classe trabalhadora são muitos e enormes. Para fazer referência a Gramsci, digo que, para enfrentá-los, é necessário pensar e atuar a partir da grande política, das lutas de classes, das transformações econômico-político-sociais, da revolução, e não apenas da pequena política, das lutas partidárias, dos messias, das eleições, das reformas…

Em todo mundo, os desdobramentos da crise estrutural do capital mostram quão pernicioso é o fetichismo dos partidos, das eleições, da democracia. Até as liberdades formais estão sendo suprimidas, sistematicamente.

O Brasil não foge à regra neste cenário de exceção. Aqui, os ataques às formalidades e procedimentalidades da democracia e do direito denunciam a falência das alternativas messiânicas, eleitoreiras. O Estado democrático de direito mostra, explicitamente, sua natureza classista. E, como tal, ela é antidemocrática e de direita!

Aos que nunca idolatraram Lula – símbolo da luta social, concordemos ou não -, sugiro, que assim permaneçam, que fiquem aquém disso. Busquem outros caminhos e práticas. Aos que o idolatram, recomendo, é hora de ver, por trás do ídolo/ mito, o homem e, mais que este, as classes.

*Cientista Social, professor e pesquisador do Instituto Federal do Acre/ Campus Cruzeiro do Sul. Coordenador dos projetos de pesquisa Trabalho, Território e Política na Amazônia e, ainda, Miséria Política no Brasil. Autor dos livros Democracia no Acre: notícias de uma ausência (PUBLIT: 2014) e Desenvolvimentismo na Amazônia: a farsa fascinante, a tragédia facínora (no prelo).

** Eu mesmo já fui chamado de fascista porque me recusei a participar de um evento coordenado por forças petistas. Como de costume por essas bandas – creio que em outras também seja assim -, embora tratasse de tema relevante, o evento foi organizado como palanque para um parlamentar que, sempre que requerido pelo partido, votava contra os trabalhadores.

loading...