Filme acreano “Noites Alienígenas” começa a ser gravado e terá participação de Gleici e Chico Diaz

A produtora Saci filmes–Conteúdo em Movimento, inicia as filmagens do longa-metragem Noites Alienígenas, nesta terça-feira, 23, em Rio Branco, capital do Acre.

O projeto aprovado por edital da Secretaria do Audiovisual (SAV) é baseado no livro homônimo do escritor Sérgio de Carvalho, que assina a direção do filme e o roteiro juntamente com Camilo Cavalcante e Rodolfo Minari.

Com locações na capital acreana, em bairros, espaços públicos, locais com identidade urbana, o filme apresenta roteiro narrativo sobre três jovens, amigos de infância, que se afastam pelas realidades sociais e voltam a se encontrar pelas periferias de Rio Branco (Acre), cidade amazônica.

Numa sociedade em transformação, o Noites Alienígenas tem toques de realismo mágico e fala de resistência, esperança e juventude. É um filme que fala sobre o slam (poesia falada), sobre o universo da cultura periférica.

São mais de duzentos profissionais envolvidos entre equipe técnica, elenco e figurantes.

Chico Diaz fará um dos papéis principais. O ator tem na bagagem mais de 60 filmes, 15 peças de teatro e 20 novelas para a televisão. Diaz será Alê, personagem definido pelo diretor Sérgio de Carvalho como um anti-herói trágico.

“Alê, apesar do envolvimento com o submundo do tráfico na década de 80, não se rendeu a esse modelo, tendo como forte canal a sua sensível relação com a arte, por sua natureza e pela influência que teve com o contato hippie, convivendo com artistas, estudantes, entre outros. Sei que Chico nesse papel irá render algo extraordinário”, comenta.

Com carreira em ascensão no cinema nacional, o ator amazonense, Adanilo, 28 anos, com papel de destaque no longa “Marighella”, direção de Wagner Moura, será Paulo, descendente indígena, dependente químico, que na chegada de sua avó da aldeia inicia um processo de reencontro com a sua ancestralidade.

A acreana Gleici Damasceno, ganhadora do BBB 18, fará seu segundo trabalho no cinema. Ela será Sandra, amiga de Paulo (Adanilo Reis) e Rivelino (Gabriel Knoxx). Sandra é uma menina negra empoderada que busca no slam (poesia falada) e hip hop sua força de resistência.

“Quando pensamos na Gleici, foi justamente porque conhecemos sua história e trajetória de vida. Essa menina que veio de um desses bairros periféricos, que ajudou a organizar o slam e participava dos movimentos de juventude. Foi muito inspirada em algumas conversas que eu tive com ela”, explica Carvalho.

Já Gabriel Knoxx, 21 anos, que interpretará Rivelino é considerado uma das revelações do elenco. Nascido na periferia de Rio Branco, Gabriel é cantor e compositor de funk e rap há sete anos, e esse é seu primeiro trabalho em cinema.

Rivelino (Gabriel Knoxx) é aliciado pela violência que chega com força na Amazônia, e nesse processo ele busca se firmar social e economicamente. Num lampejo de humanidade, recua e acaba rompendo com a criminalidade, o que lhe traz consequências.

Neste cruzamento de narrativas juvenis, as mães também são protagonistas do drama social que atinge seus filhos. Marta, indígena e evangélica, que se distanciou de sua cultura tradicional, é impulsionada pelo filho Paulo a reencontrar suas raízes. Quem interpretará Marta é a liderança indígena no Acre, Francisca Arara.

O elenco conta também com a participação de Joana Gatis, artista plástica e figurinista pernambucana de dezenas de longas e curtas, diretora do curta-metragem Soledad, e atriz nos filmes Azougue Nazaré, dirigido por Tiago Melo e Aquarius de Kleber Mendonça.

Gatis fará a mãe de Rivelino, Beatriz. Uma mulher que gosta de viver, dançar, se divertir e, assim como o filho, tenta se encontrar em um universo de crescente violência no qual não se encaixa.

O desfecho trágico destas histórias, culmina na força da cultura e da poesia nas periferias, como resistência e esperança.

O olhar que vem do Acre

O projeto é importante para o audiovisual acreano e reforça a qualificação do segmento artístico na história da cultura local e da região Norte.

Para compor a equipe técnica estão envolvidos mais de trinta profissionais das diversas áreas do audiovisual, sendo quatorze de fora do estado e o restante profissionais acreanos.

O pernambucano Camilo Cavalcante que também assina o roteiro do filme figura entre os nomes em destaque. Cavalcante começou a se destacar no cenário cinematográfico nacional a partir de A História da Eternidade (2014), com Irandhir Santos, pelo qual foi indicado a Melhor Direção e Roteiro Original no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

Quem assina a produção executiva é Karla Martins, atriz, produtora cultural, contadora de histórias e gestora pública. Martins que é acreana também compõe o elenco na pele da personagem Carllota, uma mulher comum amiga de Beatriz (Joana Gatis), que mostra sua força e resistência nos laços de amizade.

Pedro Von Kruger, encampa a direção de fotografia. Ele participou de diversos longas de ficção entre eles “Cazuza – O tempo não para”, “Tropa de Elite” 1 e 2, “Crime Delicado”, “Baixio das Bestas”.

Completam a equipe Pedro Sá (técnico de som), Afonso Pafyeze (direção de arte), Adler Fernandes (assistente de direção), Clemilson Farias (diretor de produção), Lorena Ortiz (consultora artística) e Mariana Braga (figurino).

Noites Alienígenas, produto cultural acreano, deverá ingressar no circuito brasileiro, reforçando a presença do Norte e a múltipla identidade cultural brasileira.

O longa-metragem, a cumprir a etapa de finalização, estará nos cinemas nacionais a partir do segundo semestre de 2020, em, aproximadamente, 50 salas de exibição, em estados do país.

Para o diretor Sérgio de Carvalho realizar um filme no Norte, no Acre, representa um marco para o audiovisual na Amazônia.

“Sabemos e reconhecemos a produção significativa feita no Acre nas décadas de 70 e 80, mas esse é o primeiro filme de ficção com potencial para o cinema. Estamos muito felizes, pois envolve toda uma cadeia de economia criativa e de pessoas trabalhando com o audiovisual, além disso o filme está sendo construindo com muita proximidade com jovens integrantes das culturas urbanas de Rio Branco”.

Noites Alienígenas tem o apoio cultural local das empresas e instituições Tia Elisa Distribuidora de Alimentos, Unimed Rio Branco, Café Contri, Miragina, Grupo Afa, O Paço Restaurante, Laffiche Tecidos e Verágua.

O diretor

Sérgio de Carvalho é produtor e escritor. Formado em Cinema pela Universidade Estácio de Sá. Dirige a produtora de cinema Saci Filmes. Como diretor assina os projetos: séries de TV Nokun Txai – Nossos Txais (2016/2017) e O Olhar Que Vem de Dentro (2017); longa documentário Empate 2017) e o Festival Internacional Pachamama – Cinema de Fronteira

É autor dos livros: Outros Morangos (Contos/2015) e Noites Alienígenas, vencedor do concurso Garibaldi Brasil de Literatura (Romance/2010).

Saci Filmes

Produtora amazônica criada em 2014, em Rio Branco, Acre pelo diretor Sérgio de Carvalho.

Trabalha com produção audiovisual para cinema e televisão, envolvendo curtas, médias e longas-metragens, documentário, ficção e animação, além de realizar projetos culturais.

Outros projetos

Séries de TV – ‘Nokun Txai – Nossos Txais’ e O Olhar que vem de dentro’,

longa-metragem de documentário – ‘Empate’, dirigido por Sérgio de Carvalho.

Produção

Documentário – ‘Bimi Shu Ikaya’, dirigido pelo cineasta indígena Isaka Huni Kuin Curta em animação – ‘Juvenal e Oliver’, dirigido por Italo Rocha e Marcelo Zuza Documentário ‘Xinã Bena Beisikit Xarabu’, dirigido pela indigenista Dedê Maia.

Ficha Técnica
Roteiro:*
Sérgio Carvalho

Camilo Cavalcante

Rodolfo Minari

Direção*
Sérgio Carvalho

Produção executiva*
Karla Martins

Diretor de Fotografia*
Pedro Von Kruger

Técnico de Som*
Pedro Sá

Diretor de Arte*
Afonso Pafyeze

Assessoria