Propina da Odebrecht a Serra daria para comprar 13 triplex e 13 sítios em Atibaia

Apesar de a Operação Lava Jato e a mídia anti Lula tentarem transformar em verdadeiros palácios imóveis que afirmam que o ex-presidente só poderia ter adquirido aceitando propina, na verdade os já lendários tríplex no Guarujá e Sítio em Atibaia são propriedades modestas, de classe média, e, mesmo que fossem de Lula, seriam compatíveis com seus rendimentos.

O apartamento de número 164 A do edifício Solaris, no Guarujá, tem 215 metros quadrados. É um imóvel típico de classe média. O Blog fez uma pesquisa e descobriu que os apartamentos desse prédio pertencem a gerentes de banco, médicos, advogados e até a representantes comerciais, entre outros.
Apesar de toda a mística criada pela mídia, não é sem razão que as imagens do apartamento em si que a mídia divulga são sempre imagens publicitárias do empreendimento imobiliário, em geral produzidas em computador e mostrando o apartamento mobiliado. A intenção é a de vender ao público a imagem de um imóvel nababesco.

Vale conferir imagens mais, digamos, “pé no chão” do imóvel pelo qual a Lava Jato e a mídia anti Lula dizem que o ex-presidente vendeu sua alma.
Quanto ao preço desse imóvel que dizem que fez Lula perder a cabeça e roubar o país, a mídia diz que custa “entre 1,5 e 1,8 milhão de reais”. As avaliações pouco confiáveis da mídia antipetista e antilulista podem ser conferidas.

Um detalhe: não existe prova de que o apartamento pertença a Lula, apesar de ser um imóvel tão modesto (em se tratando de um ex-presidente). Para termo de comparação, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comprou recentemente um apartamento de 200 mil euros para filho que teve – ou que pensou ter tido – fora do casamento e outro apartamento de 950 mil reais para a nova esposa, 46 anos mais jovem que ele.
De onde vem o dinheiro para o tucano comprar imóveis tão caros para dar de presente? Qual é a atividade de FHC que está lhe rendendo tanto dinheiro? Para Ministério Público, Polícia Federal etc., não vem ao caso.

Por Eduardo Guimarães