Qualidade do ar é boa em parte do Acre, mas é ruim em Rio Branco e outros municípios

A qualidade do ar que o acreano respira nesta quarta-feira (11) melhorou bastante em relação a semanas anteriores, mas segue crítico no leste do Estado, especialmente nos municípios onde há alto risco de fogo -Plácido de Castro, Acrelândia e Senador Guiomard.

A previsão, por modelo numérico, da concentração de material particulado, é produzida pela Unidade de Situação e Monitoramento da Secretaria de Meio Ambiente do Acre.

“Até às 9h, com valores variando de 20 a 250 (μg/m3). Nos municípios que compõem o oeste e leste apresentam condições que variam de boa a péssimo. Para a Organização Mundial de Saúde – OMS o limite é de 25 μg/m3 para partículas de até 2,5 μm/m2”, explica a Secretaria de Meio Ambiente em seu boletim diário.

Em Rio Branco, no dia 10 de setembro, informa o boletim da Sema, a máxima concentração de material particulado ocorreu às 23h20, com valor de 72 μg/m3, de acordo com o sensor instalado na Universidade Federal do Acre. Enquanto o sensor localizado na sede do Ministério Público, a máxima concentração de material particulado ocorreu às 21h25m, com valor de 100 μg/m3 registrado dia 10.

De acordo com a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (United States Environmental Protection Agency ), a concentração média de PM2.5 superiores a valores de 89 μg/m3 em 1-3 horas já são considerados nocivos a grupos de risco -as pessoas com doenças respiratórias ou cardíacas, idoso e crianças. Em Rio Branco, todo cuidado é pouco.

Por Edmilson Ferreira, do AC24horas.